24 de ago de 2012

Legionellosis outbreak kills 6 in Quebec

August 24 2012 at 12:14pm


iol pic wld legionnaire's disease
REUTERS
File photo - A biomedical department employee at Furness General Hospital tests samples for Legionnaires' disease in Barrow-in-Furness, in Cumbria.

Montreal -
Legionnaire's disease, which hit Quebec in mid-July, has infected 65 people and killed six, health authorities of the French-speaking Canadian province said.
“We are very concerned by the current situation,” Quebec public health chief Francois Desbiens said.
“It's the largest legionellosis outbreak in Canada in recent years.”
Sixteen new cases were reported on Thursday alone.
Health authorities suspect improper maintenance of cooling towers in air conditioning systems are at fault for the outbreak.
Legionella bacteria grow in stagnant water in such appliances, then spread with droplets expelled by the system during operation.
The 68 cooling towers housed in 28 buildings were inspected, cleaned and disinfected, but the operation has not put an end to the epidemic.
The disease, which poses a risk for people with weak immune systems, can be treated with antibiotics.
Legionnaire's disease Ä discovered in 1976 during a veterans convention in the United States, where 29 people died Ä is an infection that causes high fever, dry cough and pneumonia. - Sapa-AFP

22 de ago de 2012

Source of Legionnaires disease at JW Marriott identified

CHICAGO (FOX Chicago News) -



The JW Marriott on Adams Street in downtown Chicago had to work quickly to stop the potential source of Legionnaire's disease.

"They shut the pools down, because I work out, so everything is kinda shutting down down there...but I'm not overly concerned personally," current guest, Kenneth Justice said.

Legionnaire's disease is a severe form of pneumonia caused by inhaling contaminated water vapor. 

"It's not always the easiest disease to diagnose and doctors may not have it at the top of their list, so taking this information back to their health care provider…that's important for them," Dr. Kathy Ritger, Medical Director over communicable disease at the Chicago Department of Public Health.

The hotel is asking 8,500 of its former guests that stayed from July 16th through August 15th to be aware of the disease. 

Guests staying at the hotel tonight say they have also been told about the issue.

"I think they took some extra precaution and were diligent in their response," guest Kevin Irving said.

The hotel released this statement after being contacted by the health department: On their advice, the hotel drained and closed the fountain, hot tub and pool. Currently, CDPH believes there is no health risk to guests or employees staying at the hotel. 

"Important thing to know is that most people who are exposed to it, don't get sick. It's just, some of these people with these risk factors are more susceptible," Dr. Ritger added.


Read more: http://www.myfoxchicago.com/story/19333270/3-guests-contract-legionnaires#ixzz24Jo4OMYP

Mais um HOTEL com Legionella - Chicago USA


Legionnaires' disease linked to Chicago hotel

August 21, 2012|By Mitchell Smith | Chicago Tribune reporter

Three cases of Legionnaires' disease have been linked to a downtown Chicago hotel, and public health officials and the hotel are reaching out to more than 8,000 people who stayed there to warn them of possible exposure.
Guests who stayed at the Marriott Chicago Hotel at 151 W. Adams St. between July 16 and Aug. 15 could have been exposed to the Legionella bacteria, which can cause a form of pneumonia characterized by headache, high fever, chills, cough, chest pain and shortness of breath, officials said.

 

20 de ago de 2012

Surto de Legionella em Hotel Quatro Estrelas na Espanha

Em fevereiro de 2012 foi detectado um surto do mal dos legionários, no Diamante Beach Hotel em Calpe, Espanha. Pesquisas mostratam o surto se iniciou realmente em novembro de 2011 tendo sido registrados um total de 39 casos, sendo 35 reportados em hóspedes e 4 em funcionários. Seis destes foram letais. Recentemente, em junho deste ano, novos casos de infecção pela Legionella foram identificados no empreendimento.
O hotel foi submetido a uma minuciosa investigação, desde a identificação do surto, sendo inclusive preventivamente fechado no dia 3 de julho. Assim, os hóspedes seriam afastados de qualquer risco. Entretanto, o Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças (ECDC), organização vinculada à União Europeia, afirma que o risco de contaminação não poderá ser considerado como categoricamente eliminado, a menos que sua fonte seja identificada e completamente eliminada.

19 de ago de 2012

Fountain - fonte decorativa em praça pública é fechada devido a contaminação de Legionella e e-coli

Market Square fountain switched off after tests reveal outbreak of legionella and e-coli in the water
The Market Square fountain has been switched off after routine testing discovered higher than normal levels of legionella and other bacteria, including very low levels of e-coli.

The fountain was turned off on Tuesday when the test results were received.
A specialist company was drafted in to carry out monthly tests on the fountain - which council bosses claimed is a much more stringent testing regime than good practice recommends.
Councillor Tim Hadland, Cabinet Member for the Planning, Enterprise and Regeneration, said: “This is very frustrating as we know how much people enjoy the fountain in the warm weather.
“Our monitoring and testing regime is particularly robust as public safety is absolutely paramount and we will take no risks.
“We’ll put the fountain back on as soon as it is retested and the results have returned to normal.
”Work is now going on to thoroughly disinfect and retest the fountain before it will be switched on again.”
The council will also be investigating how the raised levels occurred so that if possible, action will be taken to stop it happening again.
The fountain was turned off earlier this year during the hosepipe ban, but borough council leaders insisted that claims made by independent councillor Tony Clarke that a health scare had prompted the switch-off were ‘irresponsible’ by a senior Tory politician.
Mr Clarke, the former Labour MP for Northampton South who now sits as an independent on Northampton Borough Council, raised concerns in an online blog over the safety of the fountain and questioned whether it may have been turned off due to the possible presence of bugs such as E-coli.
He said: “Recycling of water in an area where dogs, pigeons and even humans foul cannot be good for little mites running through the mist ingesting all and sundry.”
But, at the time, the local authority flatly denied the fountain was turned off because of any health scare and said it was purely because of the hosepipe ban.
Speaking to the Chron on May 18, Councillor John Caswell, Northampton Borough Council’s cabinet member for environment, said: “It is irresponsible of Tony Clarke to imply there is a health risk related to the Market Square fountain when so many children have enjoyed racing through it or splashing about on a hot day. There is no health risk.”
Parents have voiced concerns over the test results, with several Chron readers commenting on Facebook claiming their children had been playing in the fountain during the recent warmer weather.
Kelly Browne said: “It’s a complete waste of money, the money would have been better spent putting play parks for kids in different areas.”
But Eileen Beesley said: “This potential for infection has been well publicised. I cant imagine why anyone would let their kids run through it, it’s obvious that it will be contaminated, just look where it is.”

7 de ago de 2012

Vários casos de Legionella


Second death in legionella outbreak

Tuesday, 7 August 2012


A second person has died following an outbreak of Legionnaires' disease in Stoke-on-Trent, health officials have confirmed today.
A spokesperson for University Hospital of North Staffordshire said: "We can confirm that a man in his 70s has sadly died."
Two further patients remain in hospital and are in a stable or improving condition. The total number of confirmed cases remains at 20.
The Health Protection Agency (HPA) said the outbreak is being linked to a hot tub being sold by a warehouse in the city. HPA investigators have visited the JTF Warehouse in Fenton, Stoke-on-Trent, and the company was co-operating. A statement from the firm said: "JTF is extremely concerned and the product has been withdrawn from all stores."
The HPA said there had been 20 cases in the outbreak. Seven people diagnosed with the disease are in hospital in Stoke-on-Trent and another is in a stable condition in hospital in Leicester, the agency said. All those affected by the disease, which infects the lungs, are aged between their late 40s and mid-70s.

UK


Three Legionnaires' disease sufferers are planning legal action after health officials identified the outbreak's "probable source" in Stoke-on-Trent.
The Health Protection Agency (HPA) said there had been 20 reported cases in the city, including two deaths. Nine people remain in hospital.
A hot tub at the JTF Warehouse in Fenton is the focus of investigations.
Law firm Irwin Mitchell said at least 17 of the 20 people who caught the disease had recently visited the store.
Amandeep Dhillon, from the firm, said: "Now that a probable source has been identified the focus must turn to finding out what went wrong so that lessons can be learned to prevent similar outbreaks in future.

Hong Kong

Water from four buildings in Chai Wan has Legionella bugs above threshold
(08-07 14:46)

Samples collected from the cooling towers of four factory buildings in Chai Wan were found with a Legionella bacteria count (LBC) at or above the upper threshold, which is 1,000 colony-forming units per millilitre, the Electrical and Mechanical Services Department said today. Another sample with overwhelming bugs was from a industry complext in Wong Tai Sin.
The department tested a total of 95 water samples collected from cooling towers in 68 buildings across the territory in July.

6 de ago de 2012

O impacto do LEED na saúde ocupacional


Certificação contribui para qualidade do ar interno
postado em: 02/08/2012 11:29 hatualizado em: 05/08/2012 07:17 h
Sistema de distribuição de ar pelo piso conta pontos no LEED e garante qualidade aos usuários
(crédito: NT Editorial)
A preocupação com os poluentes dos ambientes interiores é cada vez mais presente, uma vez que estes podem causar a elevação da taxa de absenteísmo no trabalho e o aumento no número de casos de problemas respiratórios, incluindo as alergias respiratórias e outras, nos usuários de ambientes climatizados. Desta forma, a qualidade do ar de ambientes interiores assumiu importante papel não só em questões relativas à saúde pública, como também no que diz respeito à saúde ocupacional.
Atualmente o tema Qualidade do Ar Interior faz parte de ações que visam a sustentabilidade das edificações. Por exemplo, dentre os pré-requisitos para uma certificação LEED (Leedership in Energy and Environmental Design), adotado pelo GBC - Green Building Council, estão os critérios mínimos de qualidade do ar para assegurar a preservação da saúde e da qualidade de vida dos usuários de edificações sustentáveis.
Existe dentro do sistema de certificação LEED a categoria específica Indoor Air Quality, que exige o cumprimento das normas ASHRAE 62 para a Qualidade Ambiental Interna e a ASHRAE 55 para Conforto Térmico. Atendendo a estes critérios o empreendimento soma pontos que contribuem para a certificação e, principalmente, torna o ambiente climatizado saudável para os trabalhadores e demais ocupantes, influenciando diretamente na saúde ocupacional.
De acordo com Marcos Casado, gerente técnico do GBC Brasil, a principal transformação que a certificação LEED está trazendo para o setor é a maior atenção na execução de projetos que garantam uma melhor qualidade ambiental interna, promovendo mais conforto e saúde aos usuários, assim como o desenvolvimento de sistemas de climatização de maior eficiência e com baixo consumo de energia.
“Hoje, temos 54 empreendimentos certificados no Brasil como o Eldorado Business Tower e o ECO Berrini, que conquistaram a certificação LEED Platinum, maior nível de certificação possível para a Construção Sustentável, e outros quase 500 em processo de certificação. Essas obras atenderam aos pré-requisitos exigidos no LEED como: desempenho mínimo da qualidade do ar interno, controle da fumaça do cigarro e créditos que passam a somar pontos conforme descritos no quadro 1 que, uma vez atendidos, garantem às edificações um ambiente interno saudável”, explica Casado.
Ele acrescenta que para construções novas existem créditos que exigem pesquisa de verificação e monitoramento destes critérios por pelo menos 18 meses após o início de operação e, após dois anos da construção, recomenda-se a certificação LEED EB_OM voltada para Operação e Manutenção de Empreendimentos Existentes, que exigem o controle e monitoramento destes critérios durante a operação do empreendimento.


De acordo com Edison Tito Guimarães, diretor da Datum Consultoria e Projetos, não resta dúvidas que a certificação LEED contribui para a qualidade do ar de ambientes internos e, por consequência, impacta positivamente na saúde ocupacional.
“A certificação LEED tem critérios relacionados com a qualidade do ar e suas implicações. Um deles é relativo à filtragem do ar, onde o LEED exige filtros de melhor qualidade, ou seja, de acordo com a classificação G5, por exemplo, semelhante aos exigidos na NBR 16.401 da ABNT. Outro item é sobre a renovação do ar e que soma pontos no LEED, apesar de não ser obrigatória. Assim o LEED prestigia, ou seja, concede mais pontos, se você aumentar a vazão de ar exterior 30% acima do mínimo indicado pela ASHRAE (crédito 2 do Indoor Air Quality). Isso significa que, uma vez aumentada a vazão de ar exterior, a qualidade do ar interior melhora sensivelmente, se tratado adequadamente. Embora o tratamento do ar exterior não seja obrigatório no LEED, ele recomenda a incorporação de sistemas DOAS (sistemas dedicados ao tratamento do ar exterior). Todos os meus projetos são especificados com DOAS, pré tratando o ar exterior que será injetado. Na minha opinião, é praticamente impossível hoje em dia instalações não se valerem de sistemas DOAS. A Resolução da Anvisa - RE 09, limita a umidade relativa interna do ar em 40 a 60%, e não é possível garantir esse teor de umidade sem um sistema dedicado ao tratamento do ar exterior, pois a variação de umidade externa é muito grande, e a monitoração das condições de temperatura e umidade por meio da central de automação da edificação concede 1 ponto no LEED, garantido a qualidade do ar interior. Em termos de eficiência, recomendo a incorporação de recuperadores de calor. Isso tudo para mostrar que as instalações podem melhorar a qualidade do ar interior com sistemas extremamente eficientes, promovendo não só uma otimização energética, como também conforto e bem estar aos ocupantes dessas edificações”, informa Edison Tito.
Ele cita os benefícios que as exigências do LEED geraram ao Edifício Cidade Nova, localizado no Rio de Janeiro, RJ. Com projeto iniciado em 2006, uma das metas foi a construção de uma edificação sustentável, visando a classificação para receber o LEED CS 2.0. O longo processo de preparação da documentação, que envolveu todo o trabalho desde o projeto, a construção e o comissionamento, foi desenvolvido com a participação de todos os projetistas e construtores, tendo sido a primeira edificação comercial de escritórios a receber o selo do GBC no Brasil.
“O prédio é ocupado pela Petrobras e utilizado como universidade corporativa. Considerando a classificação LEED, boa parte da pontuação a ser obtida foi direta ou indiretamente ligada ao sistema de ar condicionado, tornando-o um importantíssimo elemento diferencial na obtenção da classificação, devido a sua importância no conforto e saúde dos ocupantes, além do desempenho energético e outros itens relacionados ao meio ambiente. O resultado foi uma edificação altamente saudável, agradável aos seus usuários, eficiente do ponto de vista energético e ambientalmente responsável”, comenta Edison Tito.
Promovendo qualidade interna do ar
De acordo com o diretor da Datum, um dos pontos de maior importância do projeto do Edifício Cidade Nova foi a preocupação com a qualidade do ar interior. O projeto do sistema de climatização inclui um sistema de água gelada, distribuição de ar em regime de volume de ar variável pelo piso elevado, pré-tratamento de todo o ar exterior, além de completa integração ao sistema de automação.
Nesta solução, todas as fachadas são dotadas de vidros duplos, com um espaço de ar de 60 cm entre eles (aberto nas partes inferiores e superiores), com ventilação por convecção natural em função do aquecimento dos próprios vidros pela radiação solar. Desta forma, a energia radiante solar ao ser absorvida pelos vidros externos de alto coeficiente de absorção, aumenta consideravelmente sua temperatura, provocando correntes naturais de ar entre as duas placas de vidro.

No Edifício Cidade Nova (RJ) a obtenção do LEED privilegiou a QAI para conforto e saúde dos ocupantes
“Um artigo recentemente publicado na Ashrae Journal (Ventilating Facades) estudou detalhadamente diferentes combinações de vidros e sistemas de circulação de ar em fachadas ventiladas, exatamente como executado no Edifício Cidade Nova. Os resultados apresentados são tão interessantes quanto os que obtivemos no projeto Cidade Nova, mostrando que este tipo de solução tem elevada atratividade, tanto para o conforto dos ocupantes quanto para a eficiência energética. Além da área envidraçada das fachadas, o edifício conta com uma claraboia de cerca de 900 m2 que cobre todo o átrio central. Esta área com vidros de baixo SC, conta com um colchão de ar naturalmente estratificado, permanecendo imóvel sob os vidros da claraboia e agindo como isolante térmico, sendo um eficiente redutor da carga térmica por diferença de temperatura (transmissão de calor). O área do átrio é condicionada somente no nível de ocupação (no térreo), e o restante do volume não é termicamente tratado, com as passarelas de circulação nos pavimentos totalmente fechadas por vidros. Todos estes fatores foram levados em consideração na preparação da documentação do envelope (envoltória) da edificação, de vital importância na análise de desempenho do LEED”, informa Tito.
Ele destaca ainda o sistema de distribuição de ar predominantemente pelo piso com vazão de ar variável, que adiciona um ponto na contagem do LEED na categoria Controlabilidade. “Esta solução de insuflação de ar pelo piso ao melhorar as condições de qualidade interna do ar, contribui favoravelmente para a pontuação no LEED, além de introduzir o controle individual de temperatura dos ocupantes. Neste prédio 85% dos ocupantes tem seu controle de temperatura por meio de difusores especiais no piso”, revela Tito.
O ar é insuflado pelo piso e o retorno de ar se faz através de frestas no fundo das luminárias, depois pelo entreforro até as casas de máquinas. Com a adoção deste sistema de distribuição de ar, a qualidade do ar também é melhor, pois o ar limpo é diretamente lançado na área de ocupação. Junto aos vidros existem difusores lineares, também de piso, com controle independente e automático de temperatura.
Segundo o diretor da Datum, a insuflação pelo piso, além de promover melhoria na qualidade interna do ar, apresenta uma considerável redução no consumo de energia por diversas razões, dentre elas o fato do condicionamento de ar atender predominantemente o volume útil da sala, ou seja, até a altura de 1,80m. Para manter a condição prevista de umidade relativa nos ambientes e melhorar a qualidade do ar interior, todo o ar exterior para renovação é pré-tratado em condicionadores de ar na cobertura do prédio, sendo o ar tratado lançado nas casas de máquinas dos pavimentos já resfriado, desumidificado e filtrado. O resultado é a manutenção da umidade relativa interna em condições altamente estáveis, sem grandes variações ao longo do ano (o ar exterior não tratado é o grande introdutor de umidade nos ambientes, o que piora muito a sensação de conforto térmico dos ocupantes).
Controle de qualidade do ar
Os poluentes químicos e biológicos tais como dióxido de carbono, fungos e bactérias, presentes em ambientes climatizados, podem causar sintomas adversos aos ocupantes dos edifícios, caso não seja feita a manutenção adequada dos equipamentos. Estes poluentes são detectados através das medições e controle de qualidade.


Ar exterior para renovação pré-tratado mantém a condição prevista de umidade relativa nos ambientes e melhora a qualidade do ar interior
Edison Tito chama a atenção para os índices de concentração de CO2 como indicador de poluentes: “Os requisitos do LEED se assemelham às exigências da NBR 16.401 da ABNT, no que se refere às concentrações mínimas de CO2 no ambiente visando a manutenção da qualidade do ar interior. O que eu chamo a atenção aqui no Brasil é para a divergência na Resolução RE Nº 9 da Anvisa, que adotou o critério para concentração de CO2 em ambientes internos de 1.000 ppm, que é irreal, pois não considera o meio externo. A concentração de CO2 dentro do ambiente não é um indicador seguro para medir a qualidade do ar interno, mas poderia ser um indicador da taxa de renovação do ar, isso se você utilizasse uma adição, não de um valor fixo em ppm, mas sim um diferencial de concentração de CO2 entre o meio interno e o externo. Usando os valores de vazão de ar recomendados pela ASHRAE e ABNT, o diferencial seria de 700 a 800 ppm. Então a Anvisa deveria revisar esse número, pois o mundo inteiro abandou esse critério, inclusive a ASHRAE. Considerando o meio externo, reafirmo aqui que hoje é essencial que projetos de climatização especifiquem o sistema DOAS, sistemas dedicados ao tratamento do ar exterior, uma vez que estima-se que até 2014 a média mundial de taxa de concentração de CO2 no ambiente externo chegue a 450 ppm, o que é preocupante, uma vez que o LEED exige a monitoração da vazão de ar exterior”, destaca Edison Tito.
Ele acrescenta ainda que todo esse controle e monitoração da qualidade do ar exigidos no LEED têm como objetivo evitar a Síndrome do Edifício Doente – SED: “Se você tem uma edificação certificada pelo LEED o risco de SED é praticamente zero, garantindo a saúde de seus ocupantes. É muito difícil mensurar, mas 1% da produtividade dos ocupantes durante um ano proporciona ao empreendimento um payback de pelos menos 80% do investimento em tecnologias para a obtenção do LEED”, conclui Edison Tito.
Ana Paula Basile Pinheiro - editora da revista Climatização+Refrigeração

5 de ago de 2012

Legionnaires' Disease kills one, afflicts 14 others in Quebec City



QUEBEC CITY - One person has died and 14 others have been afflicted with Legionnaires' Disease in Quebec City, possibly a result of air conditioning, according to the regional directorate of public health.
The bacteria that causes the disease grows in stagnant water in cooling towers used in large buildings, it then enters air conditioning systems which then distributes it through the air.
Authorities have sent warnings to owners of cooling towers within a 1.5 km range within the older parts of the city, urging them to clean their facilities.
Smaller air conditioners or heat pumps cannot produce the bacteria.
Legionellosis is non-contagious, airborne disease contracted by inhaling fine particles of contaminated water suspended in the air.
It generally poses little or no risk to healthy people but the elderly are somewhat more vulnerable.
-With a file from The Canadian Press



3 de ago de 2012

Legionella no Facilty Management Journal - Entrevista da SETRI a Revista INFRA



Facility Management Journal, publicou em inglês e português a entrevista dada a revista Infra pela SETRI ( Fernando), Dr Dario e a Dra Mirian, sobre o tema da Legionella e seus Riscos.
Esta publicação, coloca em destaque o que estamos fazendo no Brasil sobre o tema Legionella e promove em muito nosso esforço.

http://ifma.org/pv/info/fmj_auth.aspx



2 Employees Contract Legionnaires at CUNY School


Two employees have contracted Legionnaires in the past year at LaGuardia Community College in Long Island City

By Andrew Siff
| Thursday, Aug 2, 2012 | Updated 10:31 AM EDT

Two employees at LaGuardia Community College in Queens have contracted Legionnaires' disease as a result of legionella bacteria in the hot-water system, health officials say.
Legionnaires' is a type of pneumonia caused by bacteria. Symptoms include fever, chills, cough, muscle aches and headaches. The disease can be life-threatening, but is usually treatable with antibiotics.
The legionella exists in Building C at the school in Long Island City. Staff members learned in a school email Wednesday that two employees there have contracted Legionnaires in the past year.
But staffers interviewed Wednesday seemed unconcerned.
"I'm very comfortable," said employee Terik Tidwell. "This may be a small risk factor as far as my health and to the students' health."
Administrator Debra Nibod said, "We're very very proactive on things that happen here, so I'm not concerned at all."
Students said they hadn't heard anything about the Legionnaires risk Wednesday night.
Ryan Schiavone, an emergency medical technician studying at LaGuardia to be a paramedic, said he and fellow students didn't know about the finding.
"If there is an environmental hazard in this building, then the question is what other hazards are there that the students are exposed to?" said Schiavone.
A school spokeswoman told NBC 4 New York an email will go out to students Thursday.
CUNY officials said when they learned about the Legionnaires cases in June, they worked with the city health department to get test results on the building as soon as possible.
The Centers for Disease Control says Legionnaires does not spread person to person. Individuals contract it by breathing in a misty vapor that's contaminated.
The plan is to clean and chlorinate the hot water system, while the building remains open for business. CUNY says hospitals and other buildings have done that many times.
LaGuardia has a student enrollment of nearly 18,000 students. The fall semester starts next month

1 de ago de 2012

Green Building Brasil - Congresso


http://www.expogbcbrasil.org.br/Conferencia/A-Conferencia/Agenda/

A SETRI estará apresentando no dia 13/09 às 10:50h.


A Ferramenta de Avaliação de Riscos e o Plano de Segurança no Uso da Água
Marcos Bensoussan, Presidente, Setri Consultoria em Sustentabilidade

BASF Casa E Brasil

BASF apresenta a sua primeira Casa de Eficiência Energética no Brasil



 Cerca de 3 milhões serão investidos no projeto
 A CasaE é um projeto construído com tecnologias que permitem economizar aproximadamente 70% do consumo de energia
 Construção será realizada em apenas seis meses, utilizando produtos e técnicas construtivas mais sustentáveis e eficientes
A BASF, empresa química líder mundial, anuncia o lançamento da pedra fundamental de sua primeira Casa de Eficiência Energética no Brasil, a CasaE, projeto inovador que será construído em apenas seis meses, utilizando produtos e técnicas construtivas mais sustentáveis. Tal iniciativa aparece num momento em que as inovações no setor requerem ampla expertise, cooperação interdisciplinar e profunda compreensão da cadeia de valor da indústria, contando com a inovação como principal referência.
A casa estará localizada na Avenida Vicente Rao (zona sul de São Paulo) e reunirá, em um único espaço, tecnologias que atendem às demandas globais avaliadas pela BASF como grandes desafios para os próximos anos, que servirão como direcionadores de processos de inovação e sustentabilidade dentro da empresa. Dentre eles está o conceito de urbanização, com ramificações para os setores de construção e cuidados para o lar, já que no ano de 2050, cerca de 75% da população mundial viverá em cidades.
“O mercado da construção é estratégico para o crescimento da empresa nos próximos 10 anos. Esse é um dos motivos que levam a BASF a investir no desenvolvimento da CasaE. Queremos mostrar que o conceito construtivo (método, técnica e produtos) utilizado na CasaE pode ser utilizado em uma moradia comum, sendo totalmente factível ao mercado. Queremos, aos poucos, transformar a cultura da indústria da construção e de seus consumidores”, diz Alfred Hackenberger, Presidente da BASF para a América do Sul.
Para a construção da CasaE serão implementadas diversas soluções e inovações da BASF, que atuam diretamente na redução do consumo de água, energia e emissão de CO2. Além disso, o projeto vem apresentar respostas para questões fundamentais acerca do mercado da construção sustentável, como a rapidez dos processos, moradias mais acessíveis, a durabilidade dos materiais utilizados, seu reaproveitamento, e a saúde e conforto das pessoas que habitarão os espaços.
“O projeto traz muitas novidades para o mercado de construção brasileiro e coloca à disposição da indústria a mais diferenciada tecnologia em materiais de alta performance, eficiência energética e proteção climática. Nosso compromisso é transformar a química para oferecer soluções inovadoras e economicamente viáveis. Dessa forma, contribuímos com a construção de um futuro mais sustentável para as próximas gerações”, explica Hackenberger.
A BASF acredita que a sustentabilidade é um dos principais impulsionadores do crescimento e geração de valor. No futuro, estará ainda mais fortemente integrada às decisões de negócios.
“Como indústria química, queremos ser catalisadores dessa mudança, possibilitando uma nova cultura construtiva mais sustentável”, destaca Hackenberger.
Inovações a serviço do mercadoO grande destaque na CasaE é seu sistema construtivo. Consiste em um painel de cerâmica estrutural e fundação de alvenaria, paredes, piso e laje executados em Sistema EIFS – Exterior Insulation and Finish Systems – placas de poliestireno expandido da BASF, sob a marca Neopor®, e em Sistema ICF – Insulated Concrete Formwork – tijolos fabricados com esse mesmo material. Essas soluções proporcionam um isolamento térmico muito eficiente, por meio do qual é possível atingir uma economia de aproximadamente 70% de toda a energia consumida pela casa.
Estes produtos atendem às diferentes necessidades das atividades de construção, ajudam a conservação do consumo de energia e a reduzir as contas, aumentam o conforto. Permitem ainda a rápida construção, sem comprometer o design e a arquitetura.
Além disso, espumas especiais são aplicadas para o conforto acústico e térmico no interior da CasaE.
As dispersões e os pigmentos da BASF apresentam diferenciais para as tintas, vernizes, adesivos e materiais de construção aplicados na CasaE, bem como no controle da temperatura, contribuindo diretamente para a economia de energia.
Já os poliuretanos entram na CasaE na forma de soluções utilizadas para conforto térmico e redução no consumo de energia, além de oferecer compostos para construção de pisos drenantes, sob as marcas Elastocoat® e ElastopaveTM, que evitam que haja acúmulo de água no piso.
Os produtos químicos para construção aumentam a eficiência da hidratação do cimento, reduzindo o uso de água e emissões de CO2. Também estão presentes produtos voltados para revestimento, impermeabilizantes e antiderrapantes.
Para finalizar o processo de construção e oferecer cor e proteção especiais à CasaE, entram em cena as tintas imobiliárias Suvinil, marca da BASF e líder no segmento premium, e Glasurit, líder no segmento econômico e também pertencente à empresa.
A Suvinil AntiBactéria será utilizada na parte interna da residência, reduzindo 99% das bactérias nas paredes, proporcionando um espaço mais protegido, que privilegia a saúde e o bem-estar. Além disso, é a única marca de tintas imobiliárias a ter aprovação da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) para tintas antibacterianas. Já a linha de acrílicos Suvinil Contra Mofo e Maresia, que resiste às intempéries, e a Glasurit Alvenaria, que oferece maior rendimento, cobertura e durabilidade, serão aplicadas na parte externa da casa.

Suspended sentences for doctors in clinic's baby deaths case - LEGIONELLA


By Natalie HamiPublished on July 17, 2012


FOUR doctors implicated in the deaths of three newborn babies from Legionnaires’ disease at the Hippocration private hospital in Nicosia in 2008 were yesterday sentenced by Nicosia District Court to three months’ imprisonment suspended for three years.
They were also issued fines: €8000 for Constantinos Kastanos, former general manager of the hospital and €1800 for three maternity ward doctors of the hospital implicated in the case; Odysseas Athanatos, Vasilios Makris and Christos Riris.
The charges related to the hospitalisation of 11 infants and the death of three, all born at the clinic in December 2008.
They had pleaded guilty to failing to follow maintenance regulations, leading to the water distribution system becoming infected with the deadly bacteria.
The judge’s decision took into account that from 2006 when the clinic was renovated, tests to detect the possible spread of the bacteria in the water system had not been carried out. However Judge Natalie Talaridou-Kontopoulou stressed that ‘the accused and no one….could have foreseen the particular chain of events that led to the death of three newborns.’
Eleven infants born between December 18 and 22, 2008, were admitted to the intensive care unit of Makarios state hospital in Nicosia a few days following their release from the Hippocration.
They were diagnosed with pneumonia, caused by Legionnaires’ disease.
Three died and one was put on a respirator due to severe pneumonia although the baby recovered and was later released from hospital. It was reported that the parents of one of the three babies who died had been trying to conceive for 15 years, eventually celebrating the birth of their long-anticipated baby after numerous IVF attempts.
The deaths provoked public outrage, after it emerged that the killer bacteria were found in a humidifier as well as parts of the Hippocration’s water distribution system – all because the appropriate maintenance measures had not been taken.
“There was no witness testimony that the accused knew that the water system had been infected in this way,” said Talaridou-Kontopoulou.
Talaridou-Kontopoulou clarified that they are guilty of the charges that they had admitted to because they were obligated to know about the problem and to avoid it. “If they had taken all the necessary measures then the patients of the clinic would be treated in a safe and healthy environment,” she said.
She added that their neglect was not due to carelessness or indifference but to poor risk assessment, adding that the accused did not ignore recommendations on the issue of Legionnaires since such inspections did not take place regularly by the state.
With reference to the sentence imposed on them, Talaridou-Kontopoulou said that the seriousness of the offences along with other mitigating factors such as the characters of the accused were taken into consideration.
They received a suspended prison sentence because of their ages, 52, 65, 74 and 71 respectively, according to the judge, who added that they did not have to be imprisoned immediately to realise the seriousness of their behaviour, despite the level of neglect.