31 de mar de 2015

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - PALESTRAS - SETRI

A SETRI vai estar presente em vários eventos, apresentando o tema PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS.

* LAS VEGAS - SMART WATER LEADERSHIP SUMMIT



http://www.smartwaterleadership.com/2015/ReqInvite.aspx


* CAMPINAS - INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS - ITAL



http://eventos2.fundepag.br/pagina.php?link=576912765d66077506340b390436


* SÃO PAULO - 12 INFRA SÃO PAULO




http://www.eventosinfra.com.br/default.asp?tp=1&cd=2433&cor=000000

28 de mar de 2015

Firefighters evacuated from station due to discovery of Legionnaire's disease bacteria

Firefighters and paramedics have been evacuated from their own station because it is over-run with Legionnaire's disease.
Emergency crews fled the base after it was discovered that the water system was teeming with the legionella bacteria.
The fire station, which is shared with ambulance 999 crews, is owned by Thames Water, which leases it to Surrey County Council.
A fire brigade source said that experts had been trying to eradicate the legionella bug from the Staines Fire Station for two weeks but had so far failed.
Portable toilets and showers were taken to the building in Staines-on-Thames, Surrey, to try to protect the crews from contracting the potentially-deadly Legionnaire's disease but on Friday the decision was made to evacuate the ambulance and fire crews to other bases until the bug was flushed out.
None of the emergency crews based at the station have so far fallen ill from the bug but experts said it was too dangerous for them to remain in the building and a decision was made to evacuate the paramedics to another ambulance base and re-locate the fire crews to another fire station.
A spokesman for Surrey County Council, which runs the fire service and has a long lease on Staines Fire Station, said: "We can confirm that traces of legionella have been found in the water system at Staines Fire Station following a routine inspection and it is believed to be contained to this building.
"It is not unusual for legionella to be found in large buildings with no effect on human health in most cases.
"Work is underway to flush out the bacteria as quickly as possible"
The spokesman confirmed that fire crews had been moved to Sunbury Fire Station as a short-term precaution.
Thames Water denied it was in any way to blame for the outbreak of legionella, despite owning the building.
A spokesman for the utility said: "It is our land but the building is on a long lease to Surrey County Council. The actual water supplier for that area is Affinity Water, not Thames, but this would be nothing to do with water quality."
The fire brigade source said: "Everyone was a bit taken aback when they found legionnaire's disease in the fire and ambulance station.
"Experts have spent two weeks trying to get rid of the bug but it is very persistent and there is talk that they may have to replace all the plumbing to get rid of it."
No-one was available for comment from the South East Coast Ambulance Service which rents a room in the fire station for its 999 crews.

PRECISA FAZER O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA ?

A SETRI é uma empresa pioneira no Plano de Segurança da Água para Edificações e Indústrias.

acesse: www.setri.com.br

setri@setri.com.br

+ 55 11 50961580

26 de mar de 2015

Top-paid doctor involved in Pittsburgh VA scandal - LEGIONELLA

One of the highest paid federal employees in the country knew for more than a year about dangerous levels of Legionella bacteria in drinking water that later caused six patient deaths at a Veterans Affairs hospital, internal VA communications show.
Ali Sonel, an interventional cardiologist and chief of staff at the VA Pittsburgh Healthcare System, made $392,770 in 2014, which is more than only four other federal employees in the country, according to federal data.
The payroll data obtained by DataUniverse.com, the public records site of the Asbury Park Press, do not include Department of Defense employees and don't include most employee merit bonuses.
Internal records obtained by the Pittsburgh Tribune-Review showed that Sonel and other top officials at the Pittsburgh VA knew that the system used to curtail Legionella – a bacteria found naturally in water that can cause pneumonia – was operating below standards at the Oakland hospital in September 2011.
The VA didn't tell patients, non-medical staff or the public about the problem until November 2012, which prompted an investigation by the VA Office of Inspector General.
An April 2013 report by the Centers for Disease Control and Prevention (CDC) found that a total of 21 patients had Legionnaire's disease, sand that six had died because of it. The report said there was a failure to recognize cases of the disease "for an extended period of time," and that the perception was the Legionella was well-controlled.
VA Pittsburgh Spokeswoman Bethany Miga said Sonel advocated for reaching out to the CDC, and also invited the county and state health department to review the outbreak.
She said no one at the Pittsburgh VA was disciplined for "a lack of transparency." But In November 2014, Pittsburgh VA director Terry Gerigk Wolf was fired because of the outbreak.
General VA surgeons can make up to $325,000 per year, Miga said. Doctors with more complex surgical specialties can make up to $385,000. She also said VA facilities can request exceptions to the published annual pay ranges to recruit or retain physicians in a specific specialty area.
The starting salary for an interventional cardiologist is $400,000, according to the Association of American Medical Colleges. Sonel has been practicing for 17 years, Miga said.
Thomas Cacciarelli, a Pittsburgh VA transplant surgeon, is the second-highest paid federal employee in the country. He makes $401,589, which is more than President Barack Obama. Miga said the Pittsburgh VA has a busy transplant program, and Cacciarelli performed 39 kidney and 30 liver transplants last year.

24 de mar de 2015

FACILITY EM MOVIMENTO = PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA (21/05/2015)

FACILITY EM MOVIMENTO
20 e 21 DE MAIO DE 2015
A cada ano, a atividade de Facility Management (FM) ganha maior evidência dentro das organizações empresariais, já que pode contribuir com maior lucro e alavancar competitividade, através de uma gestão que proporcione maior e melhor eficiência operacional nas instalações prediais, deixando o espaço e os conceitos de trabalho up to date com as atuais demandas de mercado.
Ao mesmo tempo sabemos que o líder de FM é multidisciplinar, pois precisa se relacionar com as áreas de finanças, compliance, jurídico, RH, corporate real estate, etc., Afinal, o mercado vem exigindo de nós, profissionais, conhecimento de diversas áreas da empresa. Ao mesmo tempo, o resultado positivo de qualquer gestão só será possível a partir de uma visão sistêmica do negócio. Se o conhecimento for limitado a uma única área, o profissional acaba por exercer apenas a parte técnica e/ou operacional e fica apartado do negócio.
E para entrar no jogo corporativo e entender o negócio, o FM precisa estar atento às mudanças quem vem ocorrendo nos modelos de trabalho. Se pensarmos como será o mundo do trabalho em 2030 saberemos que haverá mais gente para trabalhar. Mundialmente, seremos mais de 8,3 bilhões de pessoas  e, em média, cinco anos mais velha. Teremos menos recursos e uma abundância de tecnologia, onde robôs substituirão os homens em muitas atividades.
O admirável mundo novo das tecnologias gera uma sociedade mais conectada, onde muitos modelos de negócio estão sendo interrompidos. Há uma previsão de que o modelo de trabalho vai se concentrar em obter junto as melhores mentes, e que significa que o número de funcionários físicos de uma empresa pode reduzir e o seu banco de talentos poderá crescer bilhões. Hoje, já há mudanças quanto a flexibilidade de horário e descentralização do local onde se trabalha. Ou seja, horários fixos de trabalho não farão mais sentido. Tampouco o hábito de se deslocar para o escritório todos os dias. 
Enfim, tudo isso afeta a atividade diária dos profissionais de FM, que são especialistas em gerir ambientes construídos que atendem às demandas do contingente de funcionários. Eles cuidam das instalações e gestão destes espaços bem como dos contratos de multisserviços, sendo responsáveis pelo bom funcionamento da infraestrutura, na gestão de  energia, água, retrofit, reformas,  layouts, ar-condicionado, elevadores, limpeza e resíduos, manutenção, automação, certificação predial (prédios verdes), incêndio, segurança, tecnologia da informação e comunicação, documentação, alimentação, frota, viagens e uma série de serviços afins.  E, é claro, se a empresa precisa ampliar ou reduzir seu espaço de escritório ou sua planta industrial, a área de FM está sempre apoiando a decisão, pois é ela quem tem a expertise de analisar se o novo espaço estará em consonância ou não com os negócios.
Se você é um profissional da área e se identificou com esse escopo, participe do 12º. Congresso INFRA e compartilhe experiências sobre a atividade, que além de ser reconhecida mundialmente, está em movimento ascendente no Brasil há mais de 15 anos.

Léa Lobo
presidente do Comitê Organizador  dos Congressos INFRA
diretora de redação da revista INFRA, Outsourcing & Workplace
lealobo@talen.com.br




21 de maio (quinta-feira)
8h30 – Credenciamento
9h00 – PAINEL:  Energia, Água, Automação & Telemetria
Contingências com falta de água, aumento de energia e falta de integração de sistemas de automação impactam diretamente os custos de operação. Então, como fazer uma gestão diferente?
CUSTO DA ENERGIA: Para onde vamos e quais os caminhos para se obter a melhor qualidade de energia, a um custo competitivo e estável, dentro dos grandes espaços empresariais e prediais.
PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA: A crise hídrica fez com que muitas ações fossem tomadas para reduzir o uso do insumo, entretanto muito poucos se preocuparam em averiguar se as ações observaram as diretrizes do novo Plano de Segurança da Água.
AUTOMAÇÃO & TELEMETRIA: Cada vez mais as tecnologias fazem parte do dia a dia das administrações prediais. Então como é gerenciar um conglomerado de unidades prediais independentes de um único ponto central?




20 de mar de 2015

LEGIONELLA NA VISÃO DE ESPECIALISTAS - Divulgação Internacional



http://www.wmsoc.org.uk/news/

Governo apresenta ações de acesso à água em congresso internacional de Plano de Segurança da Água

Ministério da Integração participou do Congresso Internacional de Segurança da Água: Menos Risco, Mais Saúde
O Ministério da Integração Nacional (MI) apresentou suas principais ações relacionadas à gestão e ao acesso à água no País no Congresso Internacional de Segurança da Água: Menos Risco, Mais Saúde, em Brasília (DF). 
Organizado pelo Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgãos responsáveis pela vigilância e apoio ao controle da qualidade da água para consumo humano, o evento ampliou a discussão em torno do Plano de Segurança da Água, em elaboração pelo governo federal. 
"Além de favorecer o acesso, o programa tem contribuído para a garantia da qualidade da água entregue à população", afirma Marcos Miranda, coordenador do programa Água para Todos. "O tema é objeto das oficinas de capacitação dos beneficiários das cisternas instaladas e dos órgãos e entidades que executam ações do Água para Todos", completa o gestor.  
O programa Água para Todos é coordenado pelo MI, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR). 
Defesa Civil
O coordenador do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Marcos Suassuna, também participou do congresso. Ele falou sobre a gestão da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), apresentou as leis que norteiam a Política Nacional de Defesa Civil e destacou a atuação a Operação Carro-Pipa Federal no Nordeste e Norte de Minas Gerais, que apoia 743 municípios, com 6.501 carros, beneficiando 3.683.455 pessoas.
Também participaram do evento outros órgãos do governo federal e representantes dos governos de Honduras, Portugal, Colômbia e Uruguai, para falar sobre a implementação dos Planos de Segurança da Água em seus países.

15 de mar de 2015

CONGRESSO INTERNACIONAL DE SEGURANÇA DA ÁGUA - MENOS RISCO, MAIS SAÚDE

Este Congresso é de suma importância para o Brasil, vamos discutir muitos temas relativos a Segurança da Água.
A SETRI leva o tema do PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS.







WWW.SETRI.COM.BR

13 de mar de 2015

Partículas nocivas à saúde em escolas primárias de Coimbra (Portugal)

Uma tese de doutoramento realizada na Universidade de Coimbra, que partiu da análise a 51 escolas primárias daquele concelho, concluiu que estas apresentam níveis muito elevados de partículas atmosféricas em suspensão, que podem criar problemas de saúde nas crianças.

Os 1.019 alunos das escolas primárias - públicas e privadas - analisadas, aquando das medições da qualidade do ar no ano letivo 2010/2011, encontravam-se expostos a níveis superiores à concentração máxima de referência (CMR) de PM2,5 (partículas atmosféricas em suspensão) e "praticamente a totalidade dos alunos" (com exceção de 35 alunos no outono/inverno) estavam expostos às PM10 (partículas inaláveis, que constituem também um elemento de poluição atmonsférica), concluiu a tese da investigadora Ana Ferreira, intitulada "Qualidade do ar interior em escolas e saúde das crianças".

As PM2,5 são as partículas presentes no ar que mais preocupam Ana Ferreira, por serem de "menor dimensão e porque, ao serem alojadas nos bronquíolos, podem causar graves problemas de saúde".
A própria Organização Mundial de Saúde considerou estas partículas como um dos poluentes "mais graves em termos de saúde pública", disse à agência Lusa a investigadora, que, no seu projeto, verificou a presença de "rinite alérgica, asma e dificuldades respiratórias" nos alunos, em salas com concentrações de partículas acima da CMR.

O estudo registou também concentrações médias de dióxido de carbono "muito acima da concentração máxima de referência" nas salas de aula, chegando, por vezes, "a ultrapassar duas a quatro vezes o valor de CMR", disse à agência Lusa a também vice-presidente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra.

Os alunos mais expostos apresentaram "valores de falta de concentração significativamente superiores face às crianças não expostas", tendo-se também registado "a presença de dores de cabeça, tonturas e irritação das mucosas dos olhos", entre outros sinais.

Ana Ferreira registou ainda compostos orgânicos voláteis presentes nas salas e temperaturas e humidade "alteradas", face ao valor de referência.
Segundo a investigadora, o principal problema "é a falta de ventilação existente nas escolas", sendo que no outono e inverno, com as portas e janelas fechadas, "os poluentes ficam acumulados nas salas de aula".

O pavimento de madeira antigo, o uso "da vassoura em vez do aspirador" na limpeza, a degradação das infraestruturas e a utilização de quadros de giz são outros dos fatores que podem levar aos níveis registados na investigação.

A investigadora salientou que em 2013 a legislação relativa à qualidade do ar foi alterada, "abolindo-se por completo a obrigação de se certificar e auditar os edifícios", sendo "um retrocesso político grave".

"Falou-se do amianto, mas este não é o único nem o mais perigoso poluente do ar", realçou, defendendo que a autarquia deveria atuar e investir na ventilação dos edifícios, ao mesmo tempo que se deveria encetar um "trabalho de prevenção" nestes locais.

Ana Ferreira questionou também a possibilidade de, "com o aumento do número de estudantes por sala", se diminuir a qualidade do ar.
As 51 escolas públicas e privadas de Coimbra em que foi medida a qualidade do ar estão a funcionar, à exceção de Vil de Matos.

Contactada pela agência Lusa, a Câmara de Coimbra referiu que pretende ter acesso ao estudo e analisá-lo, para eventualmente, depois, tecer algumas considerações.


EM PORTUGAL ESTÃO ESTUDANDO, NO BRASIL PRECISA DE FISCALIZAÇÃO POIS JÁ TEMOS LEGISLAÇÃO.
PORTARIA 3523 E A RESOLUÇÃO 09 

Sanidad confirma el sexto caso de neumonía por legionella en Benidorm - LEGIONELLA é um perigo para instalações desportivas

Cuatro de los seis pacientes afectados se encuentran ingresados y estables en el Hospital de la Marina Baixa en la Vila Joiosa y Sanidad ha procedido al tratamiento de limpieza y desinfección de las instalaciones del Palau

12.03.2015 | 18:35

La Conselleria de Sanidad ha registrado un nuevo caso de legionelosis en Benidorm, que eleva a seis los casos relacionados hasta el momento. De ellos, cuatro pacientes se encuentran ingresados y estables en el Hospital de la Marina Baixa en la Vila Joiosa.
En un comunicado, ha informado de que el Centro de Salud Pública de Benidorm continúa la investigación epidemiológica y ambiental y ha procedido al tratamiento de limpieza y desinfección pautado en la normativa vigente. Cuando finalice la investigación, se evaluará la situación para asegurar la apertura en ausencia de riesgo.
Conrado Hernández, portavoz del equipo de gobierno de la Consellería, señaló que todo apunta a que el foco se encuentra en las duchas de los vestuarios, pero también hay sospechas en el jacuzzi de las instalaciones por lo que también ha sido precintado. El portavoz socialista pidió disculpas a los usuarios del Palau d'Esports y agradeció la comprensión que éstos han mostrado con la situación. Hernández señaló que ya se han encontrado ubicaciones alternativas para todas las competiciones del fin de semana y que éstas se celebrarán con normalidad absoluta. Asimismo descartó dar fecha alguna de previsión para la reapertura del Palau y dijo que las instalaciones seguirán cerradas hasta que no haya la seguridad de que éstas son seguras.
Síntomas
Sanidad recuerda que la legionelosis es una enfermedad infecciosa de origen ambiental, producida por una bacteria. Se trasmite por vía aérea, a través de la inhalación de aerosoles de agua contaminada, tales como duchas, baños y torres de refrigeración. Además, apunta que no se ha demostrado la transmisión de persona a persona.
El cuadro clínico más frecuente es una neumonía, que produce síntomas respiratorios, fiebre, dolor de cabeza y síntomas generales, como cansancio, malestar general y dolores musculares, y tiene un periodo de incubación de dos a diez días.
Para los enfermos con legionelosis existe un tratamiento bien establecido y no existen medicamentos preventivos ni vacunas. Según las mismas fuentes, no es necesario acudir al médico por haber frecuentado el mismo lugar donde acudieron los pacientes enfermos. Solo se debe acudir al médico cuando se tienen síntomas sugestivos de la enfermedad.

Aquellas personas que deseen más información y resolver dudas pueden contactar con el personal sanitario de Epidemiología del Centro de Salud Pública de Benidorm.

11 de mar de 2015

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - CONGRESSO INTERNACIONAL - BRASIL



A SETRI vai estar presente, levando seu conhecimento e seu programa do PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS.
A SETRI é pioneira no PSAEI no Brasil, onde utilizamos a técnica do HACCP e a avaliação é feita para água de consumo humano, aspiração e contato com a água.

Para informações veja no site www.setri.com.br

Autarca suspeita que Legionella nas águas de Almodôvar foi “sabotagem”

Sociais-democratas e movimento de independentes do concelho alentejano exigem que o município apresente queixa às autoridades.
Numa entrevista publicada na última edição do semanário regional Diário do Alentejo, António Bota, presidente da Câmara de Almodôvar, disse achar “estranho” o aparecimento da bactéria legionella na rede de água pública em pleno Inverno, quando ela tinha sido eliminada e quando está "cientificamente provado que só aparece no Verão”.O autarca diz “suspeitar que exista alguma sabotagem”, garantindo que o município “não tem responsabilidades neste caso”, mas imputando à empresa Águas Públicas do Alentejo “o dever de fazer chegar a água aos pontos de distribuição pública em condições”.  As declarações de António Bota deixaram “estupefacta” a comissão política do Partido Social Democrata (PSD) de Almodôvar que classifica de “inadmissível a forma leviana” como o autarca conclui que a água de Almodôvar “anda a ser alvo de sabotagem, sem qualquer prova ou evidência”.O PSD diz ainda que o presidente se revela “incompetente e incumpridor do seu dever de autarca” por lançar na comunicação social “a suspeita e o consequente sentimento de medo, insegurança e preocupação” na população, frisando que as análises realizadas no sistema em alta, da responsabilidade das Águas Públicas do Alentejo, “tiveram resultados negativos” quanto à bactéria Legionella pneumophila.No entanto, o sistema de abastecimento em baixa da responsabilidade do município revela resultados “positivos”, assinalam os sociais-democratas, sugerindo a António Bota que apresente queixa às entidades policiais, “pois de acordo com as suas declarações estaremos na presença de um eventual crime que carece de investigação”.Também o Movimento de Independentes por Almodôvar reagiu às declarações do autarca com “estupefacção”. Os dois eleitos do movimento com assento no executivo municipal já solicitaram a marcação de uma reunião extraordinária para que António Bota esclareça as razões da suspeita que levantou.  A vila alentejana esteve sujeita a dois episódios de contaminação da rede pública de abastecimento com a bactéria Legionella no passado mês de Setembro e em meados de Janeiro, que entretanto foram sanados.

"ESTE TEMA VIROU POLÍTICO E POLÍTICOS NÃO ENTENDEM NADA DE LEGIONELLA. A BACTÉRIA ESTÁ NA ÁGUA EM QUALQUER LUGAR, NO FRIO OU NO CALOR"

10 de mar de 2015

SETRI e o Centro de Referência em Segurança da Água

A SETRI foi uma das empresas que participa com apoio e uma das que incentivou a formação do Centro.
O CERSA é um Centro formado entre o Brasil e Portugal, para discutir e promover o PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA.
A SETRI participa, levando nosso Projeto do PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS, sendo a pioneira neste tema no Brasil.

http://www.setri.com.br/index.php/nossos-servicos/plano-de-seguranca-da-agua-water-safety-plan/

SMART WATER LEADERSHIP SUMMIT - LAS VEGAS - SETRI




http://www.smartwaterleadership.com/2015/agenda.html

9 de mar de 2015

La Junta investiga cinco posibles casos de legionela en Salamanca - Espanha

La Consejería de Sanidad ya ha realizado la encuesta epidemiológica y la toma de muestras ambientales para investigar el origen

06.03.2015 | 18:29

La Consejería de Sanidad está investigandocinco posibles casos de legionelosis, que afectaron a personas con edades comprendidas entre los 31 y los 84 años, dos de los cuales aún permanecen ingresados, según informaron fuentes de la Delegación Territorial de la Junta en Salamanca.
En concreto, detallaron que se trata de unamujer de 84 años y de un varón de 70, que está en la UVI del Hospital Virgen de la Vega, con patologías previas y pronóstico grave. En cuanto al resto, dos han sido ya dados de alta y otro paciente está a la espera de hacerlo en las próximas horas.
Tras la comunicación, el pasado 4 de marzo, por parte del Hospital de Salamanca se comenzó a realizar la encuesta epidemiológica oportuna y la toma de muestras ambientales. Aunque los resultados no estarán disponibles hasta principios de la próxima semana y todavía no se ha descubierto el origen, todo hace indicar que se trata de una exposición en ambiente urbano, por lo que se han ido tomando muestras ambientales en diversos puntos.
Por último, recordaron que la legionelosis es una enfermedad que se transmite a través de aerosoles de agua contaminada con la bacteria de la legionella y el periodo de incubación de la misma es de entre dos y diez días.
EN SALAMANCA
En Salamanca, en la última década se han registrado 40 casos, con una media anual de cuatro casos en cada ejercicio. La mayoría de las infecciones se producen en adultos de mediana edad o personas mayores. En raras ocasiones, los niños contraen la infección y cuando lo hacen, la enfermedad suele ser menos grave que en los adultos.

Tras este brote reconocido, desde 2009 no había tanta actividad de legionela, cuando se cerró ese ejercicio con diez casos.