29 de nov de 2014

Number of Legionnaires' cases rising in US (230 % increased)

The incidence of Legionnaires’ disease in the US is increasing and, overall, cases of the disease in the city of New York increased 230% between 2002 and 2009, according to a report from the US Centers for Disease Control and Prevention (CDC).
A CDC study revealed that New Yorkers living in poverty are at a higher risk from the potentially fatal infection.
The findings of the nine-year study Legionnaires’ Disease Incidence and Risk Factors, New York, USA show a strong link between poverty and the disease, with those New Yorkers living in the most deprived areas 2.5 times more likely to contract Legionnaires’ than those in the least deprived areas.
The strong association between poverty and Legionnaires’ disease could be attributed to a number of factors, including environment and housing and underlying health issues.

23 de nov de 2014

Legionnaires' to blame for top chef's death

11:07 AM Sunday Nov 23, 2014


A surge in the number of deadly Legionnaires' disease cases has health authorities worried.
The disease killed top chef Ross Burden in July and there were ten cases during October and November at Christchurch Hospital.
Mr Burden, 45, was a popular television personality in New Zealand and the United Kingdom, where he worked with top chef Ainsley Harriott.
Mr Burden's mother Jude Harwood has laid a complaint after her son died at Auckland Hospital, Fairfax reported today.
The chef was previously reported to have died of cancer. He was receiving treatment for leukaemia, although there was social media chatter in July that Legionnaires' killed him.
Mr Burden had breathed in Legionella bacteria present in Auckland Hospital's hot water system, according to an interim coroner's report the Sunday Star-Times cited.
The disease is a severe form of pneumonia. Nine of the Christchurch patients said they were gardening or exposed to compost or potting mix before contracting the illness.
Canterbury District Health Board described the ten cases as a "surge" and warned the Legionella bacterium was commonly found in soil, potting mix or compost.
"It thrives in warm, moist conditions and becomes dangerous when dust or droplets from one of these products infected with Legionella bacteria is inhaled. It can then cause a severe, even fatal disease," the health board said.
Dr Alistair Humphrey, Canterbury Medical Officer of Health, warned people ahead of what could be a busy, and "potentially risky" weekend in the garden.
"It is important gardeners follow five simple steps to avoid catching Legionnaires' disease from potting mix or compost," Dr Humphrey said.
The first step was to open potting mix bags carefully using scissors, rather than by ripping them.
The second step involved people wearing disposable face masks and gloves, and opening bags away from their face.
The next steps were doing potting in well-ventilated outdoor areas, and dampening the potting mix or compost with a sprinkle of water to reduce airborne dust.
Dr Humphrey said the final step was to wash hands thoroughly after gardening or handling potting mix.
Anyone could catch Legionnaire's but people over 50 years old, those with a long-term illness, especially lung disease, people with low immunity, and smokers were most vulnerable.
Symptoms included dry coughing, high fever, chills, diarrhoea, shortness of breath, chest pains, headaches, excessive sweating, nausea, vomiting and abdominal pain.
The Canterbury District Health Board said anyone experiencing these symptoms should see their doctor immediately, and tell them if they had been handling potting mix or compost.




Legionnaires' cases rise sharply in Canterbury


Just as the weather improves and more of us are taking to our gardens, there has been a surge in the number of cases of Legionnaires’ disease (Legionella) at Christchurch Hospital.
There have been ten cases during October and November, nine of whom confirmed they had recently been gardening or were exposed to compost or potting mix - most did not realise the risk from working with potting mix and compost.
Legionella is a bacterium commonly found in soil and organics soil improvers such as potting mix or compost. It thrives in warm, moist conditions and becomes dangerous when dust or droplets from one of these products infected with Legionella bacteria is inhaled. It can then cause a severe, even fatal disease.
Christchurch Hospital admitted ten cases of legionella pneumonia and at least one of these required treatment in intensive care. Canterbury Medical Officer of Health Dr Alistair Humphrey wished to warn people ahead of what could be a busy, and potentially risky weekend in the garden.
"It is important gardeners follow five simple steps to avoid catching Legionnaires’ disease from potting mix or compost," says Dr Humphrey. The five steps are:
-Open potting mix bags carefully using scissors, rather than by ripping them
-Wear a disposable face mask and gloves, and open the bag away from your face
-Do your potting in a well-ventilated area outdoors
-Dampen down the potting mix or compost with a sprinkle of water to reduce airborne dust -Wash your hands thoroughly after handling potting mix, or gardening.
Anyone can catch Legionnaire’s but certain people are more vulnerable including people over 50 years of age, those with a long-term illness, particularly lung disease, people with low immunity, and smokers.
Symptoms include dry coughing, high fever, chills, diarrhoea, shortness of breath, chest pains, headaches, excessive sweating, nausea, vomiting and abdominal pain. Anyone who gets these symptoms should see their general practice right away, and let them know they have been handling potting mix or compost recently.
"Gardening is a great way to improve your physical and mental health, but please, do it safely - simply following the five steps will help protect you from a very nasty illness indeed.
You can get more information on safe gardening by visiting this website:
https://www.healthed.govt.nz/resource/safer-and-healthier-gardening
and on Legionnaires’ disease by visiting these websites:
http://www.health.govt.nz/publication/communicable-disease-control-manual-2012 http://www.dbh.govt.nz/bomd-legionellosis

A INFEÇÃO POR LEGIONELLA PNEUMOPHILA E O DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

A infeção pela bactéria legionella pneumophila pode causar a febre de Pontiac (manifestação ligeira da bactéria com sintomas semelhantes a uma gripe) e a Doença dos Legionários, a manifestação mais grave, que consiste num tipo de pneumonia potencialmente letal.
Tipologias de Contágio
A legionella está geralmente presente em ecossistemas naturais de água doce e quente, como a superfície de lagos, rios, águas termais e tanques. Entre os locais de risco estão também os sistemas artificiais criados pelo homem como a rede de abastecimento e de distribuição de água nas cidades, torres de refrigeração e instalações como duches, sistemas de ar condicionado, humidificadores ou fontes decorativas, capazes de formar aerossóis.
Perante uma temperatura entre os 35˚C e 45˚C aliada à presença de depósitos (ferrugem, lodo e matéria orgânica), estes ambientes vão potenciar o crescimento bacteriano e a rápida multiplicação da legionella, iniciando-se assim o contágio.
A infeção ocorre por inalação (via respiratória) de aerossóis/gotículas contaminados pela bactéria, através dos chuveiros domésticos, torres de arrefecimento, sistemas de climatização, instalações termais, saunas e jacuzzis e que chegam aos pulmões. Não existe transmissão pessoa a pessoa, nem pela ingestão de água contaminada.
A ocorrência da infeção depende de vários fatores como a concentração e virulência da estirpe, bem como características de risco do indivíduo. Os grupos mais predispostos à infeção grave são geralmente pessoas com mais de 50 anos, fumadores regulares, pacientes com doenças pulmonares crónicas (DPCO e enfisema), com sistema imune debilitado por doença oncológica, renal ou diabetes ou que tomem medicação para suprimir (enfraquecer) sistema imunitário (transplantados, quimioterapia).
Os casos de infeção por legionella nas crianças são muito raros.
Diagnóstico
Geralmente, cinco ou seis dias depois de um indivíduo inalar a bactéria (presente nas gotículas de água) poderão surgir as primeiras manifestações clínicas. É o chamado período de incubação que, no entanto, pode variar entre dois e dez dias. Os sintomas apresentados não são específicos e são comuns a outras patologias como astenia, náuseas, tosse, dificuldade respiratória, febre alta, dores musculares e dores de cabeça.
No caso da forma menos severa – Febre de Pontiac – os doentes não têm pneumonia e os sintomas podem durar 2 a 5 dias, enquanto que perante a manifestação mais grave – Doença dos Legionários – os doentes têm pneumonia e os sintomas duram 2 a 14 dias.
A maioria dos pacientes com doença dos Legionários apresenta uma pneumonia grave, que é confirmada por exames radiológicos/imagiológicos (radiografia aos pulmões), pelo exame objetivo e por exames laboratoriais.
Existem vários exames laboratoriais para detetar a legionella. O mais comum e mais usado é a deteção de constituintes da bactéria numa amostra de urina (antigenúria) através de anticorpos específicos, sendo assim de execução rápida, bastante sensível e específico. Um teste de urina positivo para a legionella, num doente com pneumonia, confirma o diagnóstico de Doença dos Legionários.
Outros testes mais demorados e que não são utilizados por rotina, também confirmam a Doença dos Legionários como o crescimento da bactéria legionella, em meios de culturais adequados, a partir de amostras respiratórias (expetoração e outros) e avaliação da presença de níveis crescentes de anticorpos em amostra de sangue, colhidas logo após os sintomas e durante a recuperação (duas amostras com um intervalo de 10 dias).
Tratamento
O tratamento da legionella pneumophila é realizado com recurso a antibióticos, não existindo vacina de prevenção. Geralmente o paciente passa por um período de internamento, uma vez que a pneumonia constitui a manifestação clínica mais expressiva da infeção e surge habitualmente de forma aguda e pode, nos casos mais graves, conduzir à morte.
Por Germano de Sousa, Médico Especialista em Patologia Clínica
Também pode ser visto todo processo da Legionella no livro editado pela SETRI : LEGIONELLA NA VISÃO DE ESPECIALISTAS

20 de nov de 2014

Quatro novos casos de legionella no país nas últimas 48 horas (20/11/2014) Portugal

 Torres de Resfriamento


Há quatro novos casos de legionella em Portugal, mas a Direção-Geral de Saúde garante que o surto está a chegar ao fim. Os resultados finais das análises ainda não são conhecidos mas há cada menos dúvidas em relação à provável causa da epidemia.

Olimpíadas 2016

Um renomado advogado dos Estados Unidos, acaba de publicar um texto sobre a questão da segurança da água para os Jogos Olímpicos de 2016.
O artigo é bem interessante.


http://www.legionnairelawyer.com/olympic-games-in-rio-de-janeiro-raises-legal-and-public-health-questions-regarding-water-quality-liability-and-legionella-bacteria/

Torres de arrefecimento são responsáveis pelo surto de legionella

O surto de infecção com legionella partiu mesmo das torres de arrefecimento, com as análises a confirmar que o “perfil molecular” da bactéria encontrada nos doentes é semelhantes ao das amostras recolhidas pelas equipas nas torres.
Depois de o ministro do Ambiente ter na quarta-feira apontado o dedo à ADP fertilizantes, a antiga Adubos de Portugal, por suspeitas de crime ambiental, o director-geral da Saúde recusou nomear a empresa onde foi encontrada a bactéria que infectou os doentes.
Francisco George justifica que essa informação está em “segredo de justiça”, já que o Ministério Público está a investigar a existência de crime na propagação da bactéria.
No domingo, e por precaução, as autoridades mandaram encerrar as torres de arrefecimento da ADP e de outras duas grandes empresas junto ao rio Tejo, a Solvay e a Central de Cervejas, que suspenderam a actividade na madrugada de segunda-feira.

Surto de legionella deixa sequelas

Número de doentes com bactéria sobe para 335. Muitos ficam com marcas permanentes.
A Câmara de Vila Franca de Xira e as juntas de freguesia de Vialonga, Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa receberam 23 pedidos de apoio jurídico de familiares de doentes contaminados com legionella que pretendem processar os responsáveis pelo surto.
Os últimos dados revelados pela Direção-Geral da Saúde dão conta de oito vítimas mortais e 335 pessoas infetadas. Mais de uma centena de doentes já teve alta. Muitos ficam com sequelas para sempre.

Maria de Lurdes Pinto, 65 anos, vive no Forte da Casa. Esteve oito dias nos cuidados intensivos do Hospital de Vila Franca de Xira. "Tem muitas dificuldades em andar e em conseguir falar. A médica disse que vai ficar com mazelas", disse Olga Fernandes, que está a tomar conta da mulher, que vive sozinha.
Manuel Santos, de 50 anos, é outra das 335 vítimas da bactéria. Chapeiro de automóveis, entrou no Hospital de Vila Franca de Xira no dia 4. Teve alta dez dias depois. "A médica disse-me que o pulmão direito está todo branco e ainda vai demorar a recuperar", sublinhou, lembrando que antes do surto fumava mais de um maço de tabaco por dia. "Não me sinto bem. Não consigo voltar a beber água da torneira."
Ali perto, Maria Rosa Barbosa, 56 anos, trabalha num café na Póvoa de Santa Iria. Saiu do hospital na semana passada e ainda não sabe se ficou com sequelas.

O ministro da Saúde reiterou ontem que a origem do surto está numa torre de refrigeração. "Há um número crescente de provas nesse sentido."

SETRI no Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar a convite da PALL MEDICAL

A convite da PALL MEDICAL, a SETRI fará uma palestra sobre a necessidade de um Plano de Segurança da Água na área Hospitalar.





19 de nov de 2014

Legionnaire disease raises alarm at Rome courthouse ( Itália )

ROME, Nov. 18 (Xinhua) -- An alert was raised at the appeals court in Italy's capital Rome on Tuesday over a possible outbreak of Legionnaire's disease after high levels of Legionella bacteria were detected in the water softening system, local reports said.
"During routine checks, we found a consistent presence of Legionella bacteria in the water softening system," court president Luciano Panzani was quoted by Rome-based Il Messaggero newspaper as saying during an assembly with employees.
"The situation is presently under control but the problem, if not monitored, could cause very serious damages," Panzani said, adding it would take at least 40 days for the water to be once again potable.
According to Italian news agency ANSA, the court president had gained knowledge of the problem about the water softening system, which was deactivated in the past weeks, on Nov. 13. At least five cases of pneumonia were reported by employees in recent months.
Tuesday's revelation came just a few days after the water was declared undrinkable at the courthouse due to the presence of many rats which were being exterminated, ANSA also noted.
Legionnaires' disease, also called Legion fever, is a type of pneumonia caused by a species of aerobic bacteria belonging to the genus Legionella. The disease is spread by inhaling droplets of water which carry the bacteria; it cannot be transmitted from one person to another.

17 de nov de 2014

Metro refuerza el control tras detectar en verano rastros de legionella en 3 trenes

Metro de Madrid ha incrementado los controles toxicológicos en la red de ferrocarril metropolitano después de que una inspección rutinaria hallase en el mes de junio rastros de legionella en el agua nebulizada del sistema de extinción de incendios de tres trenes de la compañía que fueron inmediatamente precintados.


Según informaron a Madridiario trabajadores de Metro y confirmaron un portavoz de la empresa y dos sindicatos, una inspección rutinaria de los técnicos de prevención de riesgos laborales de la empresa detectó el pasado mes de junio la presencia de rastros de esta bacteria aeróbica en el Sistema de Detección y Protección contra Incendios (SDPI) de tres trenes de la compañía. Dicho sistema nunca ha llegado a ponerse en marcha en ningún convoy de este medio de transporte al no haberse producido incendios que hicieran precisa su utilización, confirmaron fuentes oficiales de Metro, con lo que no ha habido riesgo para ningún usuario.
Tras informar a la dirección, los trenes sospechosos fueron retirados inmediatamente de la circulación y sometidos a dos exámenes toxicológicos, uno interno y otro realizado por una empresa externa. Dichos análisis ratificaron la presencia de legionella en niveles no peligrosos para la salud. Posteriormente, las máquinas fueron desinfectadas y, tras recibir la certificación externa de la eliminación de cualquier agente patógeno, puestas de nuevo en servicio a mediados del pasado mes de septiembre.
El hecho fue trasladado a la comisión de salud laboral de la compañía que, según ha trascendido ahora, lo debatió en septiembre. Dirección y representantes de los trabajadores acordaron entonces incrementar los controles para evitar cualquier posible alerta toxicológica por esta bacteria. Fuentes de la empresa indican que estos controles se realizan desde entonces con mayor asiduidad para evitar la posible aparición de nuevos casos.

16 de nov de 2014

Legionella: Adubos de Portugal garante que fez análises regulares e foram sempre "negativas"

A notícia abaixo mostra um total desconhecimento sobre a bactéria Legionella. Todos acreditam que fazer análise uma ou duas vezes por ano é o suficiente. Pois bem, não é e nunca será. Análise negativa muitas vezes só traz a falsa segurança e aí é o perigo. Fiz análise não deu nada, estou bem.
Somente uma avaliação de risco com especialistas e um plano de ação bem elaborado podemos minimizar os riscos da Legionella.
Uma análise em maio de 2014, não garante nada, acho que as pessoas não percebem que todo sistema com água é dinamico e muda constantemente.
Espero que este caso que foi muito triste, alerte aos responsáveis a verem a Legionella como um risco constate.


A Adubos de Portugal (ADP) garantiu hoje que, desde 2012, faz análises à legionella duas vezes por ano, tendo a última sido realizada em maio, e que os resultados têm sido sempre negativos e remetidos para as autoridades competentes.
Segundo fonte oficial da empresa, a "ADP Fertilizantes cumpre de forma rigorosa a lei e as recomendações decorrentes da sua licença ambiental" e vai "mais além, ao realizar análises duas vezes por ano, quando bastava uma".

A mesma fonte lembrou que a lei não especifica quantas vezes devem ser feitas as análises, mas que existe uma MDT (Melhores Técnicas Disponíveis), que pode ser consultada no site da Agência Portuguesa do Ambiente, que recomenda que sejam feitas anualmente entre uma e quatro análises específicas à presença de legionella.

"Desde 2012, respeitando as melhores técnicas disponíveis para este tipo de indústria, foram realizadas, por laboratórios acreditados, cinco análises de despistagem de legionella nas torres de arrefecimento da fábrica de Alverca e todas revelaram resultados negativos", diz um comunicado da empresa.

"A última análise foi feita em maio e estava previsto fazer agora a segunda deste ano, em novembro", disse a mesma fonte, acrescentando que as "autoridades foram informadas dos valores apurados".

Na sexta-feira à tarde, durante a apresentação de um relatório sobre o trabalho desenvolvido desde que foi detetado o surto de legionella em Vila Franca de Xira, ficou reforçada a probabilidade de a fonte do surto estar numa torre de refrigeração da ADP.

Aos jornalistas, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse que, numa torre de uma empresa – sem nunca especificar nomes -, "havia uma forte indicação de que podia ser a fonte de contaminação" e que, "passados os testes laboratoriais adicionais", existe uma "probabilidade ainda mais forte daquela torre ter uma coincidência com a bactéria identificada nas pessoas doentes".

Na terça-feira, o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e da Energia, Jorge Moreira da Silva, tinha apontado a ADP como provável fonte do problema, tendo anunciado uma ação inspetiva extraordinária relativamente àquela empresa, para averiguação de eventual crime ambiental por libertação de microrganismos no meio ambiente".

Ainda durante a apresentação do relatório, o inspector-geral do ambiente, Nuno Banza, revelou que, em 2013 e em 2014, a ADP enviou à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) relatórios ambientais relativos, respetivamente, a 2012 e 2013, nos quais deveria reportar todas as situações relevantes, e que a Agência (APA) não reportou nenhuma situação de incumprimento à inspeção-geral do Ambiente (IGAMAOT).

No dia 07 de novembro foi detectado um surto de legionella em Vila Franca de Xira, que até ao momento já causou sete mortos e 316 doentes.

A doença do legionário, provocada pela bactéria ‘Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Número de mortos por legionella sobe para oito



Portugal Legionnaires' disease outbreak kills five (dados não finais)

An outbreak of Legionnaires' disease has killed five people and infected more than 230 others in Portugal, the authorities there say.
Most of the cases have been in Vila Franca de Xira, a town about 25km (16 miles) north-east of Lisbon.
The World Health Organisation (WHO) says the outbreak constitutes a "major public health emergency".
Legionnaires' disease is a pneumonia-like lung infection caused by the legionella bacteria.
The source of the outbreak is yet to be found. Local media report that the bacteria has been discovered in a cooling tower in Vila Franca de Xira, but it is thought there may be other sources.
'Unusual and unexpected'
Thirty-eight people are being treated in intensive care, officials say. Facilities in many of the capital's hospitals were stretched because of the outbreak, Portuguese media reported.
"This is the biggest Legionnaire's disease (outbreak) in Portugal and is considered a major public health emergency," WHO spokesman Christian Lindmeier said.
The outbreak was "unusual and unexpected", Mr Lindmeier added.
Portuguese President Anibal Cavaco Silva has expressed his condolences to the victims. He said the public should trust the health authorities to deal with the outbreak.

Legionnaires' disease is caught by inhaling infected water. The bacteria can grow in cooling towers, air conditioning and other artificial water supply systems.
It mostly affects people aged over 50, with those already in poor health most at risk.
It was first identified in the US in the 1970s following an outbreak at a hotel hosting a veteran organisation known as the American Legion.

14 de nov de 2014

CRIMES AMBIENTAIS PODEM VALER ATÉ OITO ANOS DE PRISÃO = CASO LEGIONELLA EM PORTUGAL

Manuel Gouveia Pereira fala sobre o surto de Legionella em Portugal

13 de Novembro de 2014, Observador
Manuel Gouveia Pereira, associado coordenador da área de Imobiliário & Ambiente, fala ao Observador sobre crimes ambientais ligados ao surto de Legionella.

Crimes ambientais podem valer até oito anos de prisão

A empresa Adubos de Portugal está a ser investigada para "averiguação de eventual crime ambiental"
 
Um crime ambiental pode valer até oito anos de prisão caso a conduta e a criação do perigo tenham sido dolosas. Já se a criação do perigo ocorrer por negligência, a pena vai até cinco anos de prisão. É esta a moldura penal que pode vir a ser aplicada aos responsáveis legais da empresa Adubos de Portugal (ADP Fertilizantes) caso se confirme aquela que é a suspeita revelada esta terça-feira pelo ministro do Ambiente. Segundo Jorge Moreira da Silva, a empresa de Alverca está a ser investigada por eventual "crime ambiental", no âmbito do surto da Legionella, que já infetou 278 pessoas na zona de Vila Franca de Xira.
"Foi hoje decidido desencadear uma ação inspetiva extraordinária relativamente à empresa Adubos de Portugal, que vai ocorrer nas próximas horas, para averiguação de eventual crime ambiental por libertação de micro-organismos para o meio ambiente", anunciou o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva.
Sem conhecer no detalhe a investigação, a jurista da Quercus, Ana Cristina Figueiredo, esclareceu ao Observador que de entre os vários tipos de crime ambiental o que se poderia aplicar nesta situação era o de "poluição com perigo comum" que é aquele que se aplica "a alguém que não observa disposições legais, regulamentares ou obrigações impostas pelas autoridades e polui elementos - neste caso o ar - e com essa conduta cria perigo para a vida ou para a integridade física de outrem, para bens patrimoniais alheios de valor elevado ou para monumentos culturais ou históricos".
A confirmar-se este crime, pode ser aplicada uma pena de prisão de até oito anos caso a criação do perigo tenha sido dolosa, baixando para cinco anos quando se verifique que houve negligência. E quem seria condenado? A jurista Ana Cristina Figueiredo diz que seriam os representantes legais.
Já Manuel Gouveia Pereira, associado coordenador da Vieira de Almeida & Associados (VdA), respondeu ao Observador que "a regra é a de que apenas as pessoas singulares podem ser responsabilizadas criminalmente".
"Porém, no caso dos crimes ambientais previstos no Código Penal (...), as pessoas coletivas podem também ser responsabilizadas pela prática deste crimes, quando cometidos em seu nome e no interesse coletivo por pessoas que nela ocupem uma posição de liderança, ou por quem aja sob a autoridade das pessoas coletivas em virtude de uma violação dos deveres de vigilância ou controlo que lhe incumbem".
Coimas podem chegar aos cinco milhões de euros
Paralelamente a um processo-crime, que correria através dos tribunais, poderá ainda haver lugar a um processo contraordenacional aplicado pelas autoridades administrativas, lembra Ana Cristina Figueiredo.
De acordo com a lei-quadro das contraordenações ambientais de 2006, e regulamentada em 2009, as coimas a aplicar variam consoante "a gravidade da contraordenação em causa que, no caso das contraordenações ambientais, poderá ser leve, grave ou muito grave", explica Manuel Gouveia Pereira. No caso de uma contraordenação ambiental muito grave, praticada por pessoa coletiva, a coima pode ir dos 38.500 euros aos 70.000 em caso de negligência e dos 200.000 euros aos 2.500.000 em caso de dolo. Estas coimas são elevadas "para o dobro nos seus limites mínimo e máximo quando a presença ou emissão de uma ou mais substâncias perigosas afete gravemente a saúde, a segurança das pessoas e bens e o ambiente".
A essas coimas poderão ainda somar-se outras sanções como a interdição de atividade económica, frisa Ana Figueiredo. Para já, as autoridades já decretaram o encerramento de várias torres de refrigeração em três fábricas do concelho de Vila Franca de Xira (Adubos de Portugal, Solvay e Central de Cervejas).
Até à data, a jurista da Quercus não se recorda de ter sido aplicada alguma coima avultada mas a explicação pode estar no facto de a lei ser recente. "Não há tempo suficiente para que os processos estejam concluídos", avançou, lembrando que as instruções normalmente são demoradas, até porque as empresas avançam com recursos.
NO BRASIL A NEGLIGÊNCIA COM A LEGIONELLA TAMBÉM PODE SER CONSIDERADO UM CRIME AMBIENTAL.

LEGIONELLA CRIME AMBIENTAL

http://jornais.sapo.pt/nacional/4092

13 de nov de 2014

LEGIONELLA RISCOS EM TODOS LUGARES

Há falhas na fiscalização nas estruturas de ar condicionado?

Uma alteração à lei, em agosto do ano passado, fez com que tenham deixado de ser obrigatórias as inspecções periódicas à qualidade do ar interior em edifícios de serviços, como os centros comerciais, escolas ou hospitais. A alteração à lei não está diretamente relacionada com o surto actual. Vários técnicos estão agora a defender a realização de inspeções obrigatórias em todas as estruturas de ar condicionado, mesmo na indústria.

ESTE TEMA FOI PUBLICADO EM PORTUGAL

NO BRASIL A LEGISLAÇÃO SOBRE AR CONDICIONADO NÃO EXPLICA NEM FALA MUITO SOBRE LEGIONELLA.
NO BRASIL NÃO EXISTE QUALQUER FISCALIZAÇÃO SOBRE O TEMA, A NÃO SER PELA COVISA DE SÃO PAULO QUE FAZ UM GRANDE TRABALHO.

Plenário de trabalhadores da Adubos de Portugal discute legionella

As torres de refrigeração da empresa Adubos de Portugal podem estar na origem de um dos focos do atual surto de legionella. A fábrica de Vila Franca de Xira está parada desde que a empresa teve conhecimento de que um dos funcionários tinha sido contaminado com a bactéria.


FOCO DE LEGIONELLA PODE SER EM MUITO LOCAIS, BASTA TER A ÁGUA COM A LEGIONELLA E O SISTEMA EM QUESTÃO PRODUZIR SPRAY OU AEROSSOL.

12 de nov de 2014

A Legionella e o trabalho

SITE : SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (Portugal, devido ao enorme surto de LEGIONELLA em curso)
Um dos locais com maior probabilidade (ou risco) de contracção da "Legionella" é o seu local de trabalho. Diversas são as indústrias e actividades, que incorporam contextos e elementos materiais, susceptíveis de desenvolverem o perigo de contágio da "doença do legionário". 

 Como devem actuar as empresas nas quais os elementos materiais propícios ao desenvolvimento da legionella estejam presentes?
Em primeiro lugar, qualquer empresa nas situações anteriormente descritas, deve proceder, no âmbito das suas políticas preventivas à AVALIAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NO LOCAL DE TRABALHO.
A avaliação de risco é um elemento fundamental de qualquer actividade preventiva no domínio da Segurança e Saúde no Trabalho. A lei 102/2009, alterada pela lei 3/2014, no seu artigo 15.º, prevê esta actividade como uma Obrigação da Entidade Empregadora, sujeita a contra-ordenação muito grave, a aplicar pela Autoridade para as Condições de trabalho, nos casos de incumprimento.

11 de nov de 2014

LEGIONELLA EM PORTUGAL, POSSÍVEL CRIME AMBIENTAL

LEGIONELLA EM PORTUGAL :
O país vive há quatro dias alarmado com o surto de Legionella que tirou a vida a cinco pessoas e fez adoecer 278. O foco da infeção está em Vila Franca de Xira e a principal suspeita é uma fábrica de adubos localizada em Alverca.
Segundo o ministro do Ambiente, pode haver indícios de crime ambiental e já foi ordenada uma inspeção. Se for confirmada a suspeita, a pena pode ir até oito anos de prisão e/ou multa de €2,5 milhões.

A história do quarto maior surto do mundo de legionella

O país vive há quatro dias alarmado com o surto de legionella que tirou a vida a cinco pessoas e fez adoecer 278. O foco da infeção está em Vila Franca de Xira e a principal suspeita é uma fábrica de adubos localizada em Alverca. Segundo o ministro do Ambiente, pode haver indícios de crime ambiental e já foi ordenada uma inspeção. Se for confirmada a suspeita, a pena pode ir até oito anos de prisão e/ou multa de €2,5 milhões.
 |
 

Ministro da Saúde mantém todas as hipóteses em aberto quanto à origem do surto = LEGIONELLA PORTUGAL = Eventual Crime Ambiental

Ministro da Saúde mantém todas as hipóteses em aberto quanto à origem do surto

por S.F.HojeComentar
Ministro da Saúde mantém todas as hipóteses em aberto quanto à origem do surto
Fotografia © Lusa
O ministro do Ambiente identificou esta manhã a origem do surto como sendo a empresa Adubos de Portugal. À tarde, Paulo Macedo disse: "Não descartámos as outras hipóteses".
O ministro da Saúde, Paulo Macedo, mostrou-se prudente, esta tarde, quando confrontado com a origem do surto de legionela no concelho de Vila Franca de Xira. "Não descartámos as outras hipóteses", afirmou o governante quando questionado acerca da empresa Adubos de Portugal Fertilizantes.
Esta manhã, o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, anunciou uma ação inspetiva extraordinária à empresa para averiguar "eventual crime ambiental por libertação de microrganismos para o meio ambiente". Horas depois, o ministro da Saúde, alertou que ainda não havia resultados definitivos e que as outras hipóteses ainda estavam em cima da mesa.
"Nos testes adicionais surgiram algumas confirmações, em especial uma, que mereceu uma análise de maior rigor que ainda está a decorrer", explicou o governante.
Paulo Macedo lembrou que as primeiras análises efetuadas foram os chamados testes rápidos, que "não dizem a quantidade ou o tipo de legionela", e que se passou depois para os testes em cultura, que demoram cinco ou dez dias, cujos resultados têm de ser cruzados com o tipo de legionela encontrado nos pacientes. "Só depois se tem a certeza de qual é a fonte", alertou.
O ministro lembrou que a primeira preocupação foi parar as prováveis fontes de emissão da bactéria, o que foi feito com o encerramento das torres de refrigeração das empresas. Uma medida que terá dado resultado, uma vez que se assiste agora a um "desaceleramento" da infeção. No entanto, admitiu a possibilidade de ainda virem a surgir novos casos.