28 de fev de 2012

Hotel Sofitel Jequitimar Guarujá primeiro hotel a se associar ao GBC Brasil

O Hotel Sofitel Jequitimar Grarujá é o primeiro hotel de luxo a se associar ao GBCB.
A iniciativa do Hotel, demonstra o interesse de particiapar do novo processo de sustentabilidade.

http://www.sofitel.com/pt-br/hotel-6383-sofitel-jequitimar-guaruja/index.shtml

22 de fev de 2012

Nova Certificação da SETRI - Risk Assessment for Legionella Control


Fernando Fonseca, sócio da SETRI Brasil, acaba de receber mais um certificado de Risk Assessor, para o tema Legionella. Esta certificação é muito importante, não só para a SETRI como para o Brasil, que passa a ter um profissional altamente qualificado. Sua certificação foi realizada na Inglaterra.


20 de fev de 2012

Água contaminada nas duchas da orla pode causar diarreias e até hepatite. (Legionella está entre as possibilidades)

19/02 às 16h14



Quem usa as duchas nas praias do Rio de Janeiro não imagina, mas pode estar sujeito a uma série de contaminações. Segundo infectologistas, a presença de bactérias, coliformes totais e coliformes termotolerantes na água dos "chuveirinhos" pode transmitir diarreias, hepatite e outras complicações. A água oferecida aos banhistas também apresentou a bactéria Escherichia coli, que pode causar infecções urinárias e doenças respiratórias. As duchas não tinham qualquer sinal de cloro, dando a entender que não recebiam qualquer tratamento antes de serem utilizadas.
"Tomar banho com água contaminada pode aumentar as chances de contaminações de gastro-interite, desde uma simples diarréia até uma desidratação, na qual o paciente teria que ser internado. É completamente imprudente oferecer duchas nestas condições para os banhistas. Acidentalmente, as pessoas até ingerem aquela água quando lavam o rosto, aumentando o risco de contágio", alerta o presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia, José Galvão Alves.

19 de fev de 2012

Legionella em navios


Documento da OSHA Europa

Tripulante do MSC Armonia internada morre em Santos - Bactéria, Virus ???

A tripulante Fabiana Pasquarelli, de 30 anos, garçonete do navio de cruzeiros MSC Armonia, que estava internada em estado grave no Hospital Ana Costa, morreu na madrugada deste sábado. O navio, que fazia o percurso Santos-Ilhabela-Ilha Grande, atracou no Porto de Santos na última quarta-feira e retornou à região neste sábado.
Após apresentar sintomas de uma doença viral, a funcionária do navio foi hospitalizada com insuficiência respiratória. O quadro de saúde evoluiu para um processo infeccioso generalizado.
"Foram realizados exames e, no primeiro momento, o vírus da dengue foi descartado. Novos testes serão realizados a fim de que se tenha um diagnóstico", informou o chefe do posto de Santos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o médico Acary de Oliveira.
Os passageiros ficaram impedidos de desembarcar do navio pela Anvisa e a Vigilância Epidemiológica de Santos e ficaram aglomerados nos saguões da embarcação. Por volta das 12 horas, alguns passageiros começaram a deixar o navio.
Pela manhã, agentes da Vigilância Epidemiológica de Santos entraram na embarcação com doses de vacinas. Segundo um turista de Sorocaba, que foi um dos primeiros a sair do navio, a vacina não era obrigatória.
De acordo com ele, apenas os passageiros estão sendo liberados, os tripulantes não estão saindo. "Há relatos de que outras pessoas estão infectadas dentro do navio", disse.
O médico infectologista Evandro Araújo disse que a causa provável é uma infecção bacteriana ou algum vírus Influenza. "Os exames de diagnóstico específico foram coletados e enviados ao laboratório. O mais provável é que tenha sido um agente infeccioso de vias respiratórias, com comportamento bastante agressivo".

O Hospital Ana Costa emitiu um comunicado oficial informando que mais cinco tripulantes estão internados com sintomas respiratórios agudos. Eles desembarcaram em Ilhabela e receberam atendimento em um hospital de São Sebastião, mas foram transferidos para o Ana Costa de Santos. A unidade notificou a sede da Anvisa, em Brasília, que emitiu um alerta sanitário à embarcação.

Procurada, a assessoria de imprensa da MSC informou que a tripulante passou mal e foi encaminhada ao hospital mais próximo. Ainda neste sábado, mais de duas mil pessoas estão previstas para embarcar no MSC Armonia.

Confira a íntegra do informativo:

O Hospital Ana Costa de Santos admitiu pacientes (tripulantes) provenientes de um navio de passageiros ancorado hoje em Santos. Todos apresentavam sintomas respiratórios agudos. Até o momento não temos nenhum diagnóstico etiológico definido e os espécimes foram encaminhados aos laboratórios oficiais.

É importante ressaltar que as medidas adotadas seguiram os Protocolos do Ministério da Saúde e que as autoridades sanitárias portuárias e do município foram informadas. Todas as medidas de contenção e terapia foram e estão sendo realizadas nas dependências do Hospital Ana Costa e as autoridades sanitárias notificadas estão mobilizadas nas demais medidas de vigilância e controle relativas aos demais contactantes.

Dr. Evaldo Stanislau Affonso de Araújo
Chefe do Serviço de Infectologia e do CCIH do Hospital Ana Costa

Dez pessoas estão internadas com vírus adquirido no Navio Armonia

(notícia publicada hoje dia 19/02/2012 em vários jornais, blogs e noticiários da TV)

 A tripulante do MSC Armonia, Fabiana Pasquarelli, de 30 anos, que morreu neste sábado no Hospital Ana Costa, em Santos, já estava doente uma semana antes de ser internada. A informação é do advogado da família, Vicente Cascione.
Atualmente, 10 pessoas, entre passageiros e tripulantes do navio, estão internados no hospital. Todos apresentam problema respiratório agudo. São sete funcionários e três hóspedes da embarcação.

Os casos começaram a aparecer após a morte da garçonete. Ela foi hospitalizada com insuficiência respiratória na última quarta-feira, depois de apresentar sintomas de uma doença viral. O quadro de saúde da garçonete evoluiu para um processo infeccioso generalizado e a tripulante acabou falecendo. Fabiana deu entrada no hospital na quarta-feira, após o fim de um cruzeiro em Ilhabela, no Litoral Norte de São Paulo.
Conforme a MSC, a tripulante Fabiana foi internada na quarta-feira com pneumonia, o quadro se agravou e ela morreu na noite passada. 
Ainda não se sabe qual doença está levando os hóspedes e tripulantes a esse quadro. É provável que o diagnóstico seja revelado apenas após o Carnaval, já que o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, não faz plantão neste período. O laboratório é especializado em doenças infecciosas. Nesta manhã, agentes da Vigilância Epidemiológica de Santos e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estiveram a bordo para inspecionar o Armonia. Também foram fornecidas doses da vacina tríplice viral - caxumba, rubéola e sarampo - para os hóspedes que desejassem. 


Muitos casos ocorrem de doenças em navios ao redor do mundo, a questão não é estar no Brasil ou não.
Como o caso até agora informado é de infecção grave respiratória, espero que a ANVISA não esqueça de avaliar a possibilidade de ser uma contaminação por Legionella.

17 de fev de 2012

Legionella Consultório Odontológico


Notícias sobre caso de Legionellose na Itália, vem sendo notícia na mídia internacional. O caso ocorreu em um consultório dentário. 

Tema Legionella tem sido nossa tópico principal, devido sua gravidade.

Dental News

UK dental rules control 'risks from legionella'
17th Feb 2012
Thorough guidance on decontamination in primary dental care should control any risks from legionella.
That's according to the Department of Health today in light of a case of an elderly woman who died from Legionnaire's disease after she contracted the infection from a dental practice in Italy.
The DH issued a statement today after the case was reported in The Lancet.
A government spokesperson said that it 'required practices in England to comply with best practice guidance on controlling the risks from legionella and to carry out a risk assessment'.

Woman Dies After Contracting Legionnaires' Disease From Dentist's Office
ABC News

Italian woman died after she contracted Legionnaires' disease, a severe, pneumonia-like illness, from the water in her dentist's office, according to a case report published in the journal The Lancet.
Scientists who determined the source of the woman's illness, which occurred in February 2011, said during the disease's incubation period the woman only left her home twice to visit her dentist.

Contaminated Dental Surgery Equipment Source of Legionnaire's Disease Death
Medical News Today

This week's issue of The Lancet describes a case report of woman in Italy who died of Legionnaires disease after becoming infected with L pneumophila at her dentist. This case has prompted the authors - led by Dr Maria Luisa Ricci at the Istituto Superiore di Sanità, Rome, Italy, to call for various control measures at dental surgeries to prevent similar incidents.

Woman Dies After Dentist Visit From Legionnaires’ Disease

Legionnaire disease is an infection that is usually caused by air-conditioning systems, hot-water systems, spas and fountains that are not properly cleaned or maintained. On Friday, doctors reported the first known case of Legionnaire disease caused by a visit to the dentist office in Rome.

Woman contracts deadly disease from dental water line

“Aerosolized water from high-speed turbine instruments was most likely the source of the infection.”

Legionnaires' disease was promptly diagnosed after a Legionella pneumophila urinary antigen test was conducted, and oral antibiotics (ciprofloxacin every 12 hours) were started immediately. But the patient developed rapid and irreversible septic shock and died two days later, according to the report authors. An investigation to find the source of L. pneumophila infection was initiated.
Water samples were taken from the tap and the high-speed turbine of the dental unit water lines, as well as from the dental practice's taps and the patient's home (taps and shower) in order to investigate possible L. pneumophila contamination.
All samples from her home were negative on culture, but those from the dental practice were positive for L. pneumophila. Laboratory experiments demonstrated genomic matching between L. pneumophila found in the patient's respiratory secretion and the dental unit water line.

"L. pneumophila is a gram-negative bacterium ubiquitous in natural water environments and found also in man-made water systems," the authors wrote. "It can infect people by inhalation or microaspiration of aerosolized water causing a severe pneumonia known as Legionnaires' disease, mainly affecting elderly and immune-compromised patients, or a flu-like disease, known as Pontiac fever."

Sources of infection have been shown to be primarily air-conditioning systems, hot-water systems, spas, and fountains. Significant contamination of dental unit water lines with Legionella has been widely documented, according to the authors.


 

Caso de Legionella em Roma - Consultório Odontológico

A revista médica Lancet, informou hoje que houve um caso de óbito ocasionado pela contaminação da Legionella em um Consultório Odontológico. Análises realizadas comprovaram a existência da bactéria na água servida ao equipamento (high speed handpiece). Casos como este não são comuns, devido que muitos dentistas utilizam água esterelizada em seus equipamentos.
O caso que está sendo divulgado, alerta aos profissionais da área a necessidade de observar os cuidados necessários para minimizar os riscos de contaminação.
A Legionella é uma bactéria que vive na água. Sua proliferação é feita pela água em forma de aerosol ou spray. Legionella provoca doença respiratória (pneumonia).
Uma avaliação de risco (Risk Assessment) é um dos métodos mais importantes para minimizar os riscos.

14 de fev de 2012

ASHRAE Standard 188P - Legionella

Nosso parceiro nos Estados Unidos a Phigenics, publicou o seguinte artigo sobre a novo standard da ASHRAE sobre a Legionella. A SETRI já utiliza em seus trabalhos no Brasil e na Colombia a Avaliação de Risco (Risk Assessmente), desde 2008 o processo HACCP.

An Update on ASHRAE Standard 188P
Prevention of Legionellosis Associated with Building Water Systems.
by
Dr. Bill McCoy
Chairman of ASHRAE Standard Project Committee 188 and
Chief Technology Officer of Phigenics

Naperville, IL – 08 February 2012 - Recent publications indicate recognition that ASHRAE Standard 188P, Prevention of Legionellosis Associated with Building Water Systems, is moving steadily toward final approval. Already the proposed Standard has been published twice in public review format. The second publication of the Standard appeared in a public review that closed July 25, 2011. Final approval of the Standard is anticipated in 2012.


Health Facilities Management, a publication of the American Hospital Association, reports on the latest trends in hospital construction and renovations. The editors maintain close working relationships with facilities managers, consultants, equipment suppliers and industry leading architectural (ACHA), engineering (ASHE) environmental services (AHE) and interior design (AAHID) organizations. An informative review published in their February 2012 issue encourages its members to get prepared for implementation of ASHRAE Standard 188:http://www.hfmmagazine.com/hfmmagazine_app/jsp/articledisplay.jsp?dcrpath=HFMMAGAZINE/Article/data/02FEB2012/0212HFM_FEA_CodesStandards&domain=HFMMAGAZINE


The Journal AWWA, published by the American Water Works Association, released an article in January 2012 (Volume 104:1, pg. 52-56 downloadable from http://apps.awwa.org/WaterLibrary/showabstract.aspx?an=JAW_0075209 that references the ASHRAE public review publication. Quoting from the article regarding ASHRAE Standard 188P: "...good examples of what may be a new expectation for preventing human pathogen infection for all commercial water systems. The purpose of this specific standard is to present practices for the prevention of legionellosis associated with a building’s water system. This is a standard to provide a method for hazard analysis and critical control point risk management for human-occupied buildings and could be useful in monitoring and managing multiple waterborne threats including viruses, bacteria, protozoa, and fungi". The Journal AWWA article provides a great deal of perspective on the problem and it argues that the process specified in Standard 188 is useful for prevention of disease from all waterborne pathogens, not just disease caused by Legionella bacteria.


About Phigenics
Phigenics is an innovative water management company that solves increasingly complex needs of facility owners and managers to improve overall water safety while reducing operational and capital costs. Our solutions and business model represent a clear shift in thinking. We do not sell chemicals or equipment and we are not driven to provide a solution that is restricted to an internal product line.

Phigenics is committed to helping facilities prevent disease resulting from waterborne pathogens. We ensure that our customers are following best practices and are aligned with existing and forthcoming standards. We utilize the Hazard Analysis and Critical Control Point (HACCP) process to eliminate or control hazards in water systems, and the Patented Phigenics Validation Test (PVT) which is certified by the Centers for Disease Control ELITE program and has passed every CDC ELITE proficiency test with a score of 100% correct.

Our solutions are ideally suited for multiple facility locations and involve a combination of expert consulting services, patented analytical laboratory services, and a revolutionary web-based water management platform. 

For more information visit: http://www.phigenics.com

7 de fev de 2012

Qualidade do Ar de Interiores - Belo Horizonte - Minas Gerais

NOTÍCIAS NA IMPRENSAo Clipping Saúde é a seleção de notícias publicadas por veículos de comunicação do país. A Associação Médica de Minas Gerais não se responsabiliza pelo conteúdo das matérias

06/02/2012
Ar-condicionado é reprovado em 70% dos estabelecimentos
Bactéria presente em equipamento matou ex-ministro Sérgio Motta, em 98
Rafael Rocha
A falta de manutenção tem transformado os aparelhos de ar-condicionado em uma armadilha para a saúde de quem frequenta locais de grande aglomeração na capital. Um levantamento feito pela Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte revelou que 70% dos estabelecimentos fiscalizados pelo órgão foram reprovados, principalmente em relação à limpeza.

Desde 2003, a lei determina referenciais de qualidade do ar em ambientes climatizados (veja quadro), mas, na capital, a maioria das empresas não está cumprindo a lei. Dos 144 locais visitados pelos agentes da prefeitura em 2011, 103 foram autuados por não cumprirem algum item da legislação. Nenhum estabelecimento foi interditado no período.

Dentre as irregularidades encontradas pela vigilância, estão a falta de avaliação biológica, química e física das condições do ar, além de manutenção e limpeza dos aparelhos de ar-condicionado. A própria Vigilância Sanitária assume a gravidade dos dados. Por meio de nota, a gerente do órgão, Mara Machado, informou que "a falta de manutenção dos sistemas pode comprometer a qualidade do ar e consequentemente acarretar doenças".

No caso do ex-ministro das Telecomunicações, Sérgio Motta, a falha na manutenção do equipamento custou sua vida em 1998. A bactéria Legionella - que se aproveita do ambiente úmido e com baixas temperaturas para se desenvolver nas bandejas de ar-condicionado - provocou uma pneumonia fatal no ministro.

Especialistas consultados pela reportagem avaliaram que o problema é grave, já que a falta de manutenção nos equipamentos facilita a reprodução de fungos e bactérias que, em casos extremos, podem levar à morte. "A gente sabe que as empresas não ligam muito para isso. Casos graves são raros, mas quando acontece mata até ministro", informou o alergista e imunologista Ataualpa Reis.

A assessoria da secretaria de saúde informou, que no foco da fiscalização municipal estão hotéis, motéis e Centro de Tratamento Intensivo (CTI) de hospitais. No entanto, todos os locais que possuem ar-condicionado, como bancos, indústrias, cinemas e consultórios, são passíveis de fiscalização. No entanto, a pasta não informou detalhes sobre os locais escolhidos para a avaliação dos equipamentos no ano passado.

A importância de se ter um ar-condicionado saudável é apontada como fundamental pelo vice-presidente da Sociedade Brasileira de Meio Ambiente e Controle de Qualidade do Ar de Interiores, José Marques Hoenen. Segundo ele, os micro-organismos são carregados pela poeira, depois "surfam" pelo equipamento até o ambiente e atingem uma multiplicação concentrada. "Ao serem lançados no ambiente, os micro-organismos invadem o corpo de qualquer pessoa com baixa resistência", afirmou. Quadros de alergias diversas, rinites e sinusites também podem ter complicações devido às impurezas acumuladas nos aparelhos.

Há três anos, a vendedora Bruna Assis trabalha em shoppings e percebeu que, desde então, sua rinite só tem piorado. "Fico o tempo todo respirando esse ar e isso atrapalha minha rinite e, principalmente, minha sinusite. Preciso tomar antialérgico sempre", afirmou.
Fiscalização
Baixo controle incentiva o desrespeito

A especialista em microbiologia Cristina Carvalho, responsável por fazer avaliação química em sistemas de climatização de empresas, afirma que grande parte dos estabelecimentos não efetua a limpeza devido à precariedade da fiscalização. "Ela (fiscalização) ainda não é rigorosa e tem sido centrada em lugares de maior impacto, como hospitais", informou. Consultada, a Vigilância Sanitária disse que "todos os locais de grande circulação de pessoas foram vistoriados".

O clima brasileiro, de acordo com Cristina, é um dos fatores que também faz com que a manutenção em aparelhos de ar-condicionado demande atenção de especialistas.
Ela alertou ainda para o controle de umidade e temperatura, que deve ser rigoroso. "Nossa temperatura é inconstante, de manhã é quente, à tarde pode fazer frio. Sempre encontro aparelhos com temperatura desregulada", disse

Portaria 2914 Água Potável Brasil - Ministério da Saúde - LEIAM SEÇÃO III

Não sei se todos tiveram a oportunidade de ler a nova portaria. Seria muito bom entrar em detalhes, pois existem alguma diferenças com a antiga Portaria 518.
O ponto que mais me chama a atenção e não consigo entender, leiam o X parágrafo único com muito cuidado.


Seção III
Das Competências dos Municípios
Art. 12. Compete às Secretarias de Saúde dos Municípios:

I - exercer a vigilância da qualidade da água em sua área de competência, em articulação com os responsáveis pelo
controle da qualidade da água para consumo humano;
II - executar ações estabelecidas no VIGIAGUA, consideradas as peculiaridades regionais e locais, nos termos da
legislação do SUS;
III - inspecionar o controle da qualidade da água produzida e distribuída e as práticas operacionais adotadas no sistema
ou solução alternativa coletiva de abastecimento de água, notificando seus respectivos responsáveis para sanar a(s)
irregularidade(s) identificada(s);
IV - manter articulação com as entidades de regulação quando detectadas falhas relativas à qualidade dos serviços de
abastecimento de água, a fim de que sejam adotadas as providências concernentes a sua área de competência;
V- garantir informações à população sobre a qualidade da água para consumo humano e os riscos à saúde associados,
de acordo com mecanismos e os instrumentos disciplinados no Decreto nº 5.440, de 4 de maio de 2005;
VI - encaminhar ao responsável pelo sistema ou solução alternativa coletiva de abastecimento de água para consumo
humano informações sobre surtos e agravos à saúde relacionados à qualidade da água para consumo humano;
VII - estabelecer mecanismos de comunicação e informação com os responsáveis pelo sistema ou solução alternativa
coletiva de abastecimento de água sobre os resultados das ações de controle realizadas;
VIII - executar as diretrizes de vigilância da qualidade da água para consumo humano definidas no âmbito nacional e
estadual;
IX - realizar, em parceria com os Estados, nas situações de surto de doença diarréica aguda ou outro agravo de
transmissão fecaloral, os seguintes procedimentos:
a) análise microbiológica completa, de modo a apoiar a investigação epidemiológica e a identificação, sempre que
possível, do gênero ou espécie de microorganismos;
b) análise para pesquisa de vírus e protozoários, quando for o caso, ou encaminhamento das amostras para laboratórios
de referência nacional quando as amostras clínicas forem confirmadas para esses agentes e os dados epidemiológicos
apontarem a água como via de transmissão; e
c) envio das cepas de Escherichia coli aos laboratórios de referência nacional para identificação sorológica;
X - cadastrar e autorizar o fornecimento de água tratada, por meio de solução alternativa coletiva, mediante avaliação e aprovação dos documentos exigidos no art. 14 desta Portaria.
Parágrafo único. A autoridade municipal de saúde pública não autorizará o fornecimento de água para consumo humano, por meio de solução alternativa coletiva, quando houver rede de distribuição de água, exceto em situação de emergência e intermitência.

4 de fev de 2012

LEGIONELLA - Espanha

O caso mais recente divulgado foi na Espanha. Não costumamos ver este tema na mídia brasileira e por isso, continuamos a ter a tal falsa segurança que no Brasil ela não traz problemas. Grande equívoco, no Brasil o número de pessoas infectadas pela bactéria Legionella é muito grande. O que não temos no Brasil é um controle e nem protocolos definidos, para avaliar a extensão da gravidade da Legionella em nosso dia a dia.
Vamos continuar nossa batalha de divulgar e informar, para que que possamos alertar as pessoas.
Mas cuidado com os processos de minimizar os riscos, pois nunca teremos risco zero. Procure sempre um especialista em avaliação de risco, ele poderá ajudar.
Análise da água, para detectar a presença (quantidade) da bactéria Legionella é parte do processo e não o processo. Se você só faz análise e se sente seguro, está cometendo um grande erro.
A notícia abaixo foi publicada em um site de notícias de viagens e está sendo divulgada em toda a internet, ou seja o turisno na Espanha pode e terá problemas.

Dois turistas ingleses morrem de legionária
depois de terem estado em hotel na Costa Blanca
Presstur 03-02-2012 (13h59)Dois turistas ingleses morreram vítimas da doença do legionário depois de terem estado alojados num hotel em Calpe, na Costa Blanca em Espanha, segundo a imprensa especializada britânica, que cita o operador que organizou as viagens.As notícias dizem que de acordo com a Saga Holidays, as vítimas estiveram alojadas no Diamante Beach Hotel e uma faleceu já no hospital, enquanto a outra foi encontrada morta no quarto do hotel para onde tinha sido mudada.
Além destas vítimas, outras três pessoas também estão hospitalizadas em Espanha enquanto uma quarta já recebeu alta.
O operador indicou que outras cinco pessoas que estiveram alojadas recentemente no mesmo hotel receberam tratamento para a mesma doença num hospital no Reino Unido, tendo todas com excepção de uma recebido alta
O porta-voz da Saga Holidays, citado nessas notícias, informou que operador mal recebeu informação de que um cliente que estava alojado no Diamante Beach Hotel estava a ser tratado de uma pneumonia causada pela bactéria legionella enviou um perito em análises e retirou os clientes, acrescentando que um deles não reportou os sintomas, mas veio a falecer no segundo hotel.
O operador disse ainda que contactou outros clientes que estiveram alojado no mesmo hotel e disse para estes contactarem os seus médicos caso tenham sintomas parecidos com os da gripe e descobriu que alguns deles tiveram de receber tratamento em unidades hospitalares no Reino Unido e deixou de enviar clientes para o Diamante Beach Hotel.
A imprensa espanhola noticiou a ocorrência de três turistas ingleses mortos, que faleceram nos últimos dias de Janeiro.
A imprensa espanhola diz que os dados resultaram de uma investigação levada a cabo pelas autoridades sanitárias e de saúde da Comunidade Valenciana ao “surto de casos de legionella” ocorrido em Calpe, indicando que foram registados 14 casos de infecção, de turistas ingleses e quatro de espanhóis.
As notícias da imprensa espanhola também indicam que o estabelecimento hoteleiro foi encerrado para prevenir a ocorrência de mais casos enquanto são avaliadas “medidas estruturais”, embora também tivesse verificado que cumpria “estritamente” com todas as normas em matéria de instalações.
O responsável autárquico (alcalde) de Calpe, Alicante, citado nessas notícias, assegurou que o surto partiu de um “foco isolado”, que “só afectou um estabelecimento e está localizado e controlado”.
O alcalde disse ter ma “mensagem de tranquilidade” e declarou “plena confiança” na actuação das autoridades sanitárias, bem como do hotel.
“O alcalde é conhecedor de que os responsáveis e empregados do estabelecimento actuaram com zelo e grande responsabilidade para garantir a segurança dos utilizadores e colaboraram estreitamente com as autoridades sanitárias”, sublinhou.
Notícia publicada pela internet não do autor do blog

Três turistas britânicos faleceram em Espanha, depois de terem contraído a 'doença do legionário' num hotel na instância turística de Calpe, informou o governo regional de Valência, citado pelas agências noticiosas.
DN GLOBO de Portugal

Novas notícias circulam em jornais em toda a Europa e USA.

3 de fev de 2012

Three Britons die in legionnaires outbreak at Spanish resort


Three British holidaymakers have died in an outbreak of legionnaires disease at a hotel in the Spanish resort of Calpe.
The three unnamed Britons, were among more than 20 people to have contracted the disease at the Diamante Beach hotel.
The deaths were confirmed over the last 24 hours, almost three weeks after Saga holidays was first informed of the outbreak at the four-star spa and convention centre.
The regional government of Valencia confirmed on Friday that the first death had been on 26 January and another had come five days later. The latest death happened at the Clinica Benidorm hospital on Thursday.
"The three dead were British," a spokesman said. A further 14 other people, ten of them British, were being treated for the disease.
Confusion surrounded the date on which the legionella outbreak had been confirmed, with Saga saying it was first told about it on 14 January.
The regional health department, however, said a preliminary test had failed to locate the bacterium that causes the disease. It did not publicly inform of the outbreak, which was confirmed by a second test, until Friday.
Authorities ordered the disinfection of the hotel's water system, but said Diamante Beach had not broken maintenance rules.
Saga said a further three people remain in hospital in Spain. Five other people who recently stayed at the Diamante Beach had been treated in hospital in the UK though all but one have been discharged.
"It was reported to us on Saturday 14 January that a customer who had stayed at the Diamante Beach hotel in Spain was being treated for pneumonia caused by legionella," a Saga spokesman said.
"When that happened we immediately sent out a scientific expert to Spain and informed our guests there and offered to move them to a different hotel.
"We also contacted people who had stayed at the hotel in the previous month telling them to contact their doctor if they were experiencing flu-like symptoms."
Health authorities said the hotel had now been temporarily closed. "With the closure we have a guarantee that there will be no more contagion and we can then evaluate the measures taken with the rigour required by the situation."
A spokesman for the hotel said it expected to reopen on Monday.
Saga said the company eventually moved all clients to a new hotel after their expert conducted tests on water samples.
A holidaymaker who died in his hotel room on 31 January had not said he was feeling sick and Saga had not originally known the cause of death, the spokesman said.
"This is clearly a very upsetting time for families and staff. We have sent extra people to Spain to support them in any way we can," the spokesman added.
Saga will be offering compensation to the holidaymakers who contracted the bacterium and has suspended sending clients to the hotel.
"We have done an inspection of the plumbing and made some recommendations to reduce possibilities of a further outbreak and they will need to make changes before we consider using it again."
The Foreign Office said it was providing consular assistance to those affected by the outbreak and their families.
Legionnaires' disease is caused by a bacterium usually found in standing water and can be contracted by breathing contaminated air.
Older people as well as those with weak immune systems or lung problems are most susceptible.


Kraft Achieves Zero Waste at 36 Food Plants Around the World

Published February 02, 2012


Kraft, the maker of food products ranging from Dentyne to mac-and-cheese mix, sends no waste to landfill at 36 manufacturing plants in 13 countries, the company said today.

Waste is one of the six areas that Kraft has identified as sweet spots for improving the firm's environmental responsibility and sustainability. (The others are agricultural commodities, packaging, energy, water and operations related to transportation and distribution.) And manufacturing accounts for more than 99 percent of the solid waste Kraft generates.

"We're waging war on waste, one plant at a time," said Christine McGrath, Kraft vice president for global sustainability, in a statement.

Last year, the company set a goal of reducing net waste from manufacturing by 15 percent by 2015. That target builds on Kraft's earlier goal to cut waste by 15 percent between 2005 and 2011, which the firm handily exceeded: By the end of 2010, Kraft had slashed waste by 42 percent. The percentages represent reductions in the ratio of kilos of waste resulting from a ton of production.

As of today, waste reduction by Kraft, normalized to production, stands at 50 percent compared to 2005 levels, the company said in a recap of its efforts since revising the waste reduction goal last May.

The firm is now recycling or reusing as much as 90 percent of manufacturing waste, and at some sites byproducts from manufacturing are used to create energy. Twelve of the plants that no longer send waste to landfill are in the United States, 24 are in Europe and several other facilities have made strides in reducing rubbish.

Here are some highlights from Kraft's progress report, which praised employees for coming up with novel ways to cut waste and new uses for byproducts:

United States

• Bakeries in Chicago and Naperville, Ill., that make Nabisco and Triscuit products became zero waste by the end of last year.

• A Philadelphia Cream Cheese plant in Beaver Dam, Wisc., worked with the city to build an anaerobic digester, which processes whey waste into biogas that is used to generate electricity for the local grid.

• Two plants in the California city of Fresno and one in San Leandro diverted more than 100 tons of food waste for use as animal feed. The facilities, which make Capri Sun, Kool-Aid, Tang, Maxwell House, Yuban and Cornnuts, have received several honors from the state's Waste Reduction Awards Program.

Russia

• A coffee plant in St. Petersburg cut waste sent to landfill by 90 percent by reusing coffee bean shipping bags and pallets and by sending off 15,000 tons of coffee grounds to be turned into fertilizer for farms in the area.

Indonesia

• Plants in Cikarang and Karawang, where plastic packaging film creates most of the waste, found a recycler that turns the material into bags and buckets. The facilities cut waste by 40 percent last year.

Austria

• During the past year, a coffee plant in Vienna has sent 250 tons of used coffee bean husks to a biomass power plant that creates heat and electricity for nearby homes.

Germany

• A Philadelphia Cream Cheese plant in Fallingbostel has been a zero waste facility since 2009.

1 de fev de 2012

Para saber mais sobre a LEGIONELLA

Verdades e mentiras sobre a Legionella

É correto relacioná-la ao ar condicionado? Os números de casos são realmente alarmantes? Como se prevenir?
A Doença do Legionário é uma forma de infecção do pulmão e a sua causa, a Legionella, ocorre sempre que é utilizada água. Muitos a associam à contaminação do ar de interiores, principalmente em edifícios, onde é bastante presente o uso do ar condicionado. Mas isso é correto? O que precisamos saber sobre esta bactéria?

Quem responde essas e outras pontuações é o Eng. Marcos d´Avila Bensoussan, especialista na área de Controle e Monitoramento da Legionella, que trabalhou por muitos anos em tratamento de águas e qualidade do ar de interiores, ajudando a introduzir o conceito no Brasil e América Latina.

Se estamos falando de verdade e mentira sobre a Legionella, como você começaria nossa entrevista?
A Legionella sempre existiu; o que posso colocar como mentira é a confusão que algumas pessoas ainda fazem sobre ela.

Qual seria a maior confusão?
A maior delas é que a Legionella não existe no Brasil, mas somente na Europa e Estados Unidos. A verdade é que a Legionella vive na água, ou seja, bem perto de todos nós.

O que os nossos leitores precisam saber de fato?
Poderíamos ficar aqui várias horas falando sobre a Legionella, mas resumidamente ela foi descoberta após uma grave mortalidade na Filadélfia, em um encontro dos Legionários, daí o nome Legionella. Ela provoca no ser humano alguns problemas sérios, podemos ter a febre Pontiac (como um forte resfriado), pneumonia leve e até a pneumonia gravíssima que pode levar à morte.

Como é o seu contágio?
A Legionella não passa de pessoa a pessoa. Se adquire pela água pulverizada (pequenas gotículas) que através da respiração vai para o nosso aparelho respiratório, provocando as doenças já citadas. Como nós, humanos, usamos a água de várias maneiras, os locais de maior probabilidade de haver contaminação são: Torres de Resfriamento, chuveiros, fontes decorativas, Spas, pulverização de água em locais públicos, consultórios odontológicos (através do motor que injeta água pulverizada), sistemas de nebulização de água e tantos outros processos que pulverizem a água e que possamos respirar as suas gotículas. Entretanto, o que ocorre é que existe a possibilidade de certeza de haver ou não problemas. O que não podemos é entrar em pânico.

Como mensurar o risco?
Em nível mundial, os casos graves de óbito provocados pela Legionella não são um número pequeno, tanto que a National Geografic a considerou como uma das epidemias mais graves. No Brasil não existe um acompanhamento oficial, mas os números são assustadores (foi tema de um trabalho que apresentei com alguns colegas em Chicago, em 2007).

Como é o processo utilizado nos outros países?
Realizamos uma análise de risco no local (somente com pessoas capacitadas), para definir o seu nível. Este é o procedimento que todos deveriam usar (edifícios, indústria, shopping centers, hospitais, hotéis, todos que de uma maneira ou de outra possuem fonte que tenha pulverização de água). Outro ponto importante é que a Legionella, estando na partícula de água, pode ser arrastada por vários quilômetros e contaminar pessoas bem distantes do local infectado (o caso mais impressionante aconteceu na França em uma refinaria de petróleo, onde pessoas a quase 10 quilômetros foram contaminadas). Outro ponto importante é que não existe lei para tratar a água de um sistema de resfriamento, mas todos tratam e por quê? Porque se não tratar os equipamentos vão ter problemas e se perde dinheiro. No caso da Legionella podemos perder vidas e deixar pessoas doentes. Será que precisamos de leis ou de consciência?


“A Legionella não passa de pessoa a pessoa. Se adquire pela água pulverizada (pequenas gotículas)..."


Ultimamente, no Brasil, se fala muito da Legionella e o ar condicionado, sendo que todos culpam como sendo ele o responsável...
Isso é polêmico, pois todos vinculam a Legionella ao ar condicionado. Inclusive a história da Qualidade do Ar de Interiores apareceu por um equívoco técnico na época. Não que o que temos no Brasil (RE09) não seja importante, mas na época em que o então Sr. Ministro Cesar Motta faleceu, falaram que ele teve Legionella provocada pelo ar condicionado do seu gabinete em Brasília. Ele pode ter falecido pela Legionella, entretanto, este não foi o único fator responsável pela sua morte (foi mais um fator, porém, não foi o único), mas não foi o ar condicionado que gerou a Legionella. Com esta confusão, foi que o Ministério da Saúde lançou as portarias da Qualidade do Ar de Interiores, pois pensaram que o ar era o culpado (inclusive nas resoluções não se fala quase nada sobre Legionella). O ar condicionado pode, eu disse PODE ser o condutor das partículas de água contaminadas, e não o gerador. Se a tomada de ar externo estiver próxima a uma torre de resfriamento, pode arrastar as partículas para o local onde o sistema de ar condicionado esteja operando. No caso de Filadélfia, ocorreu exatamente isso, muitos se contaminaram dentro dos seus quartos (pelos dutos) e muitos na rua, respirando as partículas de água que vinham da torre de resfriamento no topo do edifício (hotel). O que sim, temos que fazer, é analisar o risco de contaminação e a água.

Mas o fator de uma lei existir não reforçaria a preocupação?
Sabe, temos hoje a Portaria 3523 e a RE09 do Ministério da Saúde/Anvisa. Isso ao olhar do mundo é fantástico: um país como o nosso preocupado com a saúde e bem-estar das pessoas que estão utilizando locais climatizados, ou seja, querem reduzir os riscos de enfermidades e outros problemas. Isso é muito bom, mas como todos deveriam fazer, começa o famoso jeitinho de como burlar este procedimento tão importante. A questão é que muitas empresas fazem PMOC e as análises somente para cumprir tabela, usam pessoas desqualificadas, laboratórios que não fazem a análise corretamente, ou seja, estão enganando a si próprios.

Que recado daria aos responsáveis pelos processos que mencionou?
Precisamos reduzir os riscos, fazer as análises necessárias para a prevenção. Utilizar somente pessoas capacitadas, pois qualquer erro pode ser pior que não fazer. Hoje na Europa existe lei rígida sobre o tema, nos Estados Unidos existem procedimentos. Havendo pessoas doentes e se houver uma investigação, a fonte que provocou poderá ser responsabilizada, independente de lei ou não. Só um comentário final: hoje a “gripe suína” (H1N1) está na mídia 24 horas por dia. Correto. Todos nós devemos ser informados para evitar mais mortes, etc. Mas eu pergunto: Quem sabe da Legionella e dos seus riscos? Quem sabe dos riscos que corremos? Quem está fazendo algo? Depende da consciência dos Gestores de Segurança, RH, Facilities, Engenharia e outros trabalhar para a prevenção, a saúde e o conforto das pessoas.

Publicado na Revista INFRA

Las Vegas: Health district says Luxor guest died of Legionnaires'

                           The lobby of the Luxor hotel-casino in Las Vegas. (MGM Resorts)


Nevada health officials found Legionella bacteria in water samples at the Luxor in Las Vegas this month after receiving notice that a prior guest at the hotel-casino had died from Legionnaires' disease.
The public health notice issued by the Southern Nevada Health District on Monday said the Centers for Disease Control and Prevention alerted the agency to three Luxor guests who were diagnosed with Legionnaires' disease.
Two cases were reported in spring 2011, but water samples taken at that time didn't detect the bacteria and both patients recovered. The third case was reported in January -- no name or details about the victim were given -- and the hotel's water again was tested. "At this time environmental sampling was positive for Legionella bacteria," the notice says.
The Luxor took steps to treat the water in the room where the deceased guest stayed within 24 hours of receiving notice, according to media reports. Gordon Absher, vice president of public affairs for MGM Resorts International, which owns the Luxor, says the company is embarking on a voluntary remediation of the entire hotel. The hotel also posted information about the disease on a Web page and has a hotline for guests to call.
Brian Labus, senior epidemiologist at the health district, says the bacteria may grow in shower heads or other water fixtures in hotel rooms that haven't been used for a while so water doesn't circulate regularly. "There's nothing you can do as a guest to prevent it," he says.
Legionnaires' disease is a type of pneumonia that can be fatal in 5% to 30% of cases, especially among the elderly and people with respiratory problems. It's transmitted by breathing in vapor or mist tainted by bacteria, not by person-to-person contact, and the incubation period is 2 to 14 days. Symptoms include high fever, chills, cough and sometimes muscle aches, the health district's notice says.
Last July, six cases of Legionniares' disease were reported to the CDC by people who had stayed at the Aria Resort & Casino, which is partly owned by MGM Resorts. All patients were treated and recovered. In that instance, Absher says the hotel sent out 14,000 letters and posted a notice on its website to inform prior guests about the possibility of having been exposed to the bacteria. (A civil lawsuit filed over those cases is pending.)
Copyright © 2012, Los Angeles Times