31 de jan de 2012

Novo caso de LEGIONELLA em Las Vegas

LAS VEGAS (FOX5)
Posted: Jan 30, 2012 4:19 PM Updated: Jan 30, 2012 9:22 PM
A recent guest of the Luxor Hotel and Casino died after contracting Legionnaires' disease, the Southern Nevada Health District announced Monday.
The agency has issued a public health notice, saying water samples collected after the patient was diagnosed tested positive for Legionella bacteria.
The patient's identity has not been made public, and the health district did not reveal the official cause of death.
Although no new cases of the disease have been reported, health officials said anyone who stayed at Luxor recently and believes they may have symptoms is urged to contact their doctor.
Symptoms of the disease -- which can include a high fever, cough and chills -- usually manifest 2 to 14 days after exposure to the bacteria.
The health district also revealed Monday that two people who stayed at the Luxor last spring also contracted Legionnaires' disease.
However, water samples taken at the time tested negative for the bacteria, so the public was not believed to be at risk, officials said.
Both patients did recover.
The health district said it was informed about the cases through the Centers for Disease Control and Prevention.
Stay with FOX5 for updates to this breaking story
Copyright 2012 KVVU (KVVU Broadcasting Corporation). All rights reserved.

26 de jan de 2012

Iniciativa muito legal - TerraCycle - SETRI vai apoiar

Eu vou montar meu grupo, convido a todos a aderirem a este grande projeto. Segue como você deve fazer é super.


Participar da TerraCycle é muito simples!

Basta você acessar o nosso site www.terracycle.com.br e fazer o seu cadastro para criar um Time de Coleta. Você só precisa ter uma caixa de papelão para colocar as embalagens que irá coletar.

Quando fizer o seu cadastro, você deverá escolher a entidade sem fins lucrativos ou escola para a qual o valor arrecadado com a sua coleta irá. Isso significa que por cada embalagem coletada, você arrecada 2 pontos e cada ponto vale R$0,01. O valor arrecadado é alocado diretamente na Entidade que escolher. 

Depois que fizer o seu cadastro, você receberá um e-mail de ativação de sua conta que lhe permitirá o acesso à sua conta TerraCycle. Você deve então, acessá-la para terminar de preencher os seus dados de cadastro. Não se esqueça de completar todas as informações, pois muitos processos no site precisam dos seus dados, como as etiquetas de envio dos seus resíduos. O endereço deve estar completo, com número e complemento e o telefone com DDD e número juntos, sem espaço. 

Lembre-se que aceitamos qualquer embalagem de salgadinho, biscoito, refresco em pó, chocolate, café, alimentos congelados, margarina e papel A4 independente da marca e que você pode participar de todas as Brigadas (Programas de coleta de embalagens) ao mesmo tempo. 

Após juntar o mínimo de 100 embalagens, você pode nos enviar a remessa gratuitamente. Basta você acessar a sua conta TerraCycle imprimir a etiqueta pré-paga de envio, colar na caixa e levar até uma agência própria dos Correios. Se não tiver impressora, você pode fazer a requisição, também dentro da sua conta, que nós lhe enviamos no prazo de 3 semanas. Você poderá ver na sua conta TerraCycle o número de embalagens que enviou e o valor acumulado dentro de 15 dias após o recebimento dessa remessa na TerraCycle. 

Os pagamentos são feitos duas vezes ao ano diretamente para a entidade beneficiada, em Agosto referente às remessas do primeiro semestre, e em Dezembro referente às remessas enviadas no segundo semestre. Lembramos que os pagamentos são semestrais e para emissão do cheque o time precisa ter enviado o mínimo de 500 embalagens para o pagamento mínimo de R$10,00.  

Esperamos o seu time iniciar a coleta! 

Para solicitar as etiquetas você deve certificar-se de estar com o cadastro todo completo, incluindo o telefone e endereço com número e complemento.

Para imprimir ou solicitar as etiquetas você deve entrar em sua conta em nosso site e clicar no ícone ao lado esquerdo da página "SOLICITE SUA ETIQUETA"!

Na página que abrir você deve escolher para qual Brigada você vai querer etiquetas e solicitar o envio ou a impressão!

Se algo der errado, confira na sua página de Brigadas, no link Remessas Pendentes, se as suas etiquetas já não foram geradas e estão lá.

Se sim, basta clicar no Número de Rastreamento e imprimir a etiqueta que abrirá em PDF. 

Qualquer dúvida, estamos a disposição. 

Obrigado pelo seu interesse! 

Atenciosamente,

Time TerraCycle
TerraCycle do Brasil
0800-8921-038
sac@terracycle.com.br
www.terracycle.com.br

Siga-nos no Twitter: @terracyclebr
Facebook: TerraCycle do Brasil

22 de jan de 2012

LEGIONELLA - BRASIL


Muitos acreditam que a Legionella é coisa que não existe. Lembro mais uma vez que casos de Legionella ocorrem em quantidade elevada no Brasil e no mundo. Somente casos graves de óbito estão sendo reportados e não a quantidade de pessoas contaminadas.
Fazendo um levantamento em vários laboratórios que realizam análise de Legionella na água, o porcentual de casos positivos X amostras analizadas está na casa de 24,5 %. Este número é muito importante e devemos tomas os cuidados necessários.

21 de jan de 2012

Casos de Legionella nos Estados Unidos - Advogado especializado



I remember when I first started practicing law in 1976 sitting in my office at my new law firm and how excited I was. Little did I realize just how exciting things were going to get or of my future involvement with the disease. One block from my new office was a hotel called the Bellevue-Stratford. It was a famous old hotel with beautiful interiors that was also the site of an outbreak of Legionnaires’ disease in which 221 American Legion conventioneers became ill from the disease and 34 died.
I recall the widespread concern shared amongst the residents of Philadelphia. One reason that the outbreak received extensive media coverage was because the investigators were unable to immediately identify the cause of the mysterious illness. Some people feared a new pandemic was just beginning to spread. What made the disease’s discovery so difficult was the lack of common factors between those affected. While it is true that all those who fell ill were attendees at the Legionnaires’ convention, that fact remained the only consistent factor. Before the disease’s discovery local papers published stories detailing every update regarding the medical investigation. Initially, it was believed to have been a new variation of the flu virus. The swine influenza, which had just been discovered, was a culprit for a time. However, some common symptoms of the flu virus, such as human-to-human transmission and a runny nose, had not been observed. Even all types of metal poisonings had been considered. Medical investigators thought they had finally identified the cause to be nickel poisoning when they found fatal amounts of the metal in tissue samples. Soon after, however, this cause was dismissed when doctors realized they had inadvertently contaminated the tissue samples with their metal tools. Another such mistake was the early rejection of a bacterium as the disease’s cause during the investigation. These kinds of problems plagued the investigation as medical experts scrambled frantically to pin down any clues.
It was not until six months after the first person became sick that investigators identified the bacterium that caused the disease. Interestingly, the bacterium had been isolated twice before in 1947 at the Walter Army Institute in Washington, D.C. What prolonged the bacterium’s identification was the use of penicillin and streptomycin during attempts to inoculate other organisms, such as eggs, with the disease. The purpose was to eliminate external bacterial contaminants during the inoculation. When Dr. Joseph McDade finally decided to ignore the use of antibiotics in order to examine the contaminants he discovered that he had strains of Legionella pneumophila. McDade then conducted dye tests on tissue samples from the Legionnaire outbreak and found the same strains of Legionella pneumophila. By this time the outbreak was over; no new cases had come in and the casualty numbers had been finalized.
The whole experience played out like a mystery novel; every week was a new chapter in the story. At the time the story was only of passing interest due to my proximity to the hotel. I had no idea that years later it would come to be a focus area of my practice. The hotel ultimately went bankrupt due to the outbreak and has since been converted into office space and condominiums. To this day I can still see from my office window the Bellevue-Stratford’s cooling towers where the bacteria colonized.    

20 de jan de 2012

Legionella bug found in Filton public showers

LEGIONELLA bacteria has been discovered at public showers run by Filton Town Council – and the cost of fixing the problem could be £14,000.
Staff working at Filton Leisure Centre raised concerns about whether the bacteria could pose a risk to staff and customers at a recent town council staffing meeting. Councillors have stressed that the bacteria has only been found in the showers of the Pavilion, which are not connected to any other water system at Filton Leisure Centre, where tests for the bacteria have proved negative, and a memo has been sent out to reassure staff.
The bacteria, which thrives in water temperatures of between 25°C and 45°C, was found in the showers, which are used by those who play football and other sports on Elm Park playing fields.
A trace of the bacteria was discovered in the water tank that supplies the showers after a routine inspection last month.
The showers have been closed since then and the council are paying for the problem to be fixed.
No one is thought to have been affected by the bacteria so far, which can lead to Legionnaire's disease, a potentially fatal infectious disease.
Filton Town Council's deputy clerk Diane Sanders told the Post that the original cost of refitting the showers and the water system was £5,800 but after further investigations the cost went up.
She said the cost of the repairs now stood at £14,000 and is being undertaken by contractor Bath Water Works.
This is due to an expensive faulty part that needs to be replaced and because the showers' water supply needs to be switched from the old tank to the mains.
A Filton resident, who asked to remain anonymous, told the Post: "I was at Filton Leisure Centre with my young family when it was mentioned by a staff member.
"They said they had raised it with the council and are worried about health and safety.
"There are no signs warning the customers or sports teams who use the showers that they have identified bacteria, which is really quite worrying
"I wont be taking my young kids swimming at the leisure centre until they make a public statement that they have fixed the problem and have been given the all-clear."
Filton Leisure Centre manager Lisa Timbrell said: "The problem is isolated to the showers in the Pavilion.
"They are supplied by a separate tank, which was very old and needed replacing. The rest of the leisure centre is not affected and all tests there have been negative.
"The showers have been closed since the problem was detected but we hope they will reopen in the next few weeks after tests have been conducted to make sure the bacteria has gone away."
Filton Town Council chairman Adam Monk said: "Clearly it's disappointing that the showers within the Pavilion have been found to contain legionella bacteria.
"As a council we acted swiftly and have engaged a contractor to work on a system to overcome this problem.
"We are sorry for any inconvenience caused at the facility but obviously the severity of the problem meant we needed to close the showers."
Mr Monk said the money used to pay for work would come from the general maintenance reserves budget.
The Evening Post understands some remedial work was undertaken on the showers in late 2009 when the same problem occurred.

14 de jan de 2012

LEGIONELLA - Falsa Segurança

Um dos maiores riscos da Legionella é a falsa segurança que algumas pessoas possam ter. Muitas empresas, aqui falamos das que realizam análise da água (sistemas de resfriamento, água potável, água quente, etc...), acreditam que estão fazendo o que se deve, pois se o resultado é negativo todos ficam com a impressão que estão seguros. Este é a falsa segurança. Não basta sair fazendo análise da Legionella para saber o quanto os sistemas estão ou não provocando risco a saude das pessoas.
Quando coletamos uma amostra de água para análise, o resultado vai ficar pronto entre 14 e 20 dias. Este tempo já foi suficiente para muitas pessoas ficarem doentes ou não. O que quero dizer é que a análise é parte de um processo e não o processo.
Fico muito preocupado com locais que dizem: " Fiz a análise e deu negativo, não corro risco". Puro engano, não será com resultado negativo ou positivo que teremos a resposta.
Em muitos paises, a análise da legionella é parte de um processo e não o ponto central do tema.
Muito cuidado com afirmações que se análise é negativa estou livre de problemas, do mesmo modo, tenho resultado positivo tenho um problema.
Nos casos conhecidos de surtos de legionellose, as análises foram feitas após o ocorrido, com o objetivo de se descobrir a origem da contaminação.
Todo sistema com água é dinamico, você coleta amostra as 14 horas de um dia e obtem um resultado. Se no mesmo sistema, realizamos nova coleta 3 dias depois, tudo pode estar diferente.
Além disto, afirmo que mais de 90 % dos laboratórios no Brasil que dizem fazer a análise da Legionella, não estão capacitados. Esta análise é difícil e requer muita capacitação de quem coleta a amostra e de quem realiza a análise.
Laboratório que coleta amostra de qualquer jeito, não sabem nem o que é Legionella estão realizando análises e comprometendo a saude de muitas pessoas.
Você que é responsável em sua empresa pela área de segurança e saude ou gestor de facilites tenha cuidado em quem confiar. Preços baixos de uma análise de Legionella, pode desconfiar, pois o custo não é baixo.
Fica aqui um alerta, pois já li alguns documentos importantes que indicam fazer análise da Legionella a cada mês ou trimestre ou semestre que está tudo bem. Grande equívoco. Análise é importante como parte do processo de uma Avaliação de Risco (Risk Assessment) por um profissional capacitado.
Laboratórios não devem fazer comentários ou dar sugestões sobre o que fazer com os resultados obtidos, isso para mim é um crime.
Quando vc faz um exame de sangue em um laboratório clínico, o mesmo não fica dando opinião e solução para o seu caso. Quem interpreta é seu médico.
Pense bem sobre o tema LEGIONELLA, ela pode ocasionar problemas e vc pode ser responsabilizado.
Qualquer dúvida estamos a disposição.

13 de jan de 2012

Hospital Fountain Linked to Disease Outbreak in Wisconsin - Legionella

By MAGGY PATRICK
Jan. 11, 2011 CBS NEWS
 
An outbreak of Legionnaires' disease in Wisconsin has been linked to a decorative fountain found in a hospital lobby, according to a new study released Tuesday online in Infection Control and Hospital Epidemiology.Eight people were tested after exhibiting symptoms of the Legionnaires' disease, which include fever, chills, headaches and coughing. All had contracted a severe form of pneumonia caused by the Legionella bacterium and tested positive for the disease, which is transmitted by inhaling contaminated water.
Interestingly enough, none of the new patients were admitted to the hospital at the time they were exposed, leading experts to question the one common source of water: the lobby fountain.
"Legionella is very tolerant of higher water temperatures, it loves water," said Dr. Christopher Ohl, professor of infectious diseases at Wakeforest Baptist Medical Center. "It could happen anywhere, in a hotel, in an office building...really any water fountain has a potential of having this happen."
Three of the patients who contracted the disease were visiting the hospital as outpatients, while three others were simply picking up medication. The remaining two patients were either delivering materials to the facility or waiting in the lobby during a relative's appointment. Six out of the eight patients remembered passing directly through the lobby and past the fountain.
According to Ohl, Legionella typically effects people whose immune systems are compromised. All of the patients who tested positive for the disease reported underlying medical conditions such as diabetes, rheumatoid arthritis or alcoholism that would have left them vulnerable to illness.
While Legionella has been reported in other places involving water, Ohl says Americans should not be afraid of walking past decorative fountains in general. In fact, Legionella is the bacteria that has typically been found in such outbreaks.
"I don't think people should be afraid of this," he said. "It could just as easily been the water system in your own home, from a shower at the YMCA...it's really impossible to reduce your risk."
He does, however, think hospitals should reconsider including them in their floor plans because there are too many people there with compromised immune systems.
"It's probably prudent to not have these types of fountains or water art," he said. "We as a public have to accept the risk of having pleasing things in public places."

10 de jan de 2012

Portaria 2914 - Ministério da Saúde - Água Potável e para Consumo Humano

Volto a escrever sobre o tema, isso é bem importante para que todos saibam das nova Portaria. Muitos utilizam poços, sistemas alternativos de tratamento de água e por este motivo devem estudar esta Portaria com bastante critério.




Legionnaires' Disease Outbreak Linked to Hospital's Decorative Fountain - Fontes Decorativas Legionella

Outbreak of Legionnaires’ disease in Wisconsin has been linked to a decorative fountain in a hospital lobby, according to a study published in the February issue of Infection Control and Hospital Epidemiology.
When the outbreak of Legionnaires’ disease was detected among eight people in southeast Wisconsin, state and local public health officials worked closely with hospital staff to launch an investigation to determine the source of the outbreak. Legionnaires’ disease is a severe and potentially life-threatening form of pneumonia caused by the bacteria Legionella and is spread through inhalation contact with contaminated water sources.
Through detailed interviews with patients, officials identified one hospital as the site of the contamination. Subsequent environmental testing within the hospital detected notable amounts of Legionella in samples collected from the “water wall” decorative fountain located in the hospital’s main lobby.
The investigation revealed that all eight patients had spent time in the main lobby where the fountain is located. This, along with the proximity of each patient’s onset of illness and the degree of Legionella contamination in the fountain strongly support the conclusion that the decorative fountain was the source of the outbreak. Hospital officials quickly shut down the fountain when it was first suspected as a source, and notified staff and approximately 4,000 potentially exposed patients and visitors. Prior to the investigation, the decorative fountain underwent routine cleaning and maintenance.
All eight patients in the Wisconsin outbreak recovered from the disease, and no cases occurred following the shutdown of the fountain.
The outbreak is notable since none of the patients with Legionnaires’ disease was an inpatient at the hospital when exposed. And some patients reported only incidental exposure to the fountain, such as delivering a package or visiting the hospital pharmacy.
At the time of the outbreak there was no published information on the effectiveness of fountain disinfection and maintenance procedures to reduce the risks of Legionella contamination.
“Since our investigation, the Wisconsin Division of Public Health has developed interim guidelines advising healthcare facilities with decorative fountains to establish strict maintenance procedures and conduct periodic bacteriologic monitoring for Legionella,” says Thomas E. Haupt, MS, an epidemiologist with the Wisconsin Division of Public Health and the study’s lead author. “The guidelines stress that until additional data are available that demonstrate effective maintenance procedures for eliminating the risk of Legionella transmission from indoor decorative water fountains in healthcare settings, water fountains of any type should be considered at risk of becoming contaminated with Legionella bacteria.”
Since this investigation, many healthcare facilities in Wisconsin shut down or removed decorative fountains in their facilities, while others enhanced their regular testing protocols to reduce the risk of Legionnaires’ disease, the researchers report. Healthcare facility construction guidelines published after this outbreak stipulate that, “fountains and other open decorative water features may represent a reservoir for opportunistic human pathogens; thus they are not recommended for installation within any enclosed spaces in healthcare facilities.”

Isso ocorreu em um hospital, numa fonte decorativa pequena, o problema maior é a localização, em um HOSPITAL, ou seja que projetou não sabia absolutamente nada sobre a Legionella.
Lembro que no Brasil, existem algumas fontes decorativas em Parques Públicos, usando água sabe lé de onde. Fica aqui a pergunta:
Será que alguém parou para pensar ? Será que alguém vai fazer algo ?

9 de jan de 2012

Palestra sobre a bactéria Legionella

Se você, tem interesse sobre o tema, entre em contato pelo e mail marcos@setri.com.br

Nova portaria sobre água Potável - 2914

Recomendo a todos a tomarem conhecimento desta nova portaria, muita coisa nova e interessante sobre o tema. Os laboratórios devem prestar muita atenção, os responsáveis por tratamento alternativos, verifiquem muito bem as novas regras.
A portaria 518 está deixando de existir e por este motivo mudanças devem ocorrer em muitos locais.

GBCB - Setembro 2012

http://www.expogbcbrasil.org.br/Home/?utm_source=eCentry&utm_medium=email+marketing&utm_content=http%3A%2F%2Fwww.expogbcbrasil.org.br%2FHome%2F&utm_campaign=GBC+-+Expositor+2

4 de jan de 2012

Sofitel Guarujá Jequitimar - "Emissão zero" de efluentes líquidos"

Resort cinco estrelas é pioneiro do setor no Brasil com projeto que reaproveita 100% da água para o empreendimento

Localizado na charmosa praia de Pernambuco, no litoral sul de São Paulo, o Sofitel Guarujá Jequitimar é um resort cinco estrelas de 60.000 metros quadrados de área construída e 42.909 metros quadrados de área de paisagismo.

O complexo no qual o hotel está instalado é composto de 302 apartamentos, três restaurantes, uma danceteria, o Shopping Jequiti (um centro comercial com 56 lojas), além de uma área de convenções de 3.000 metros quadrados.

A Gerência de Manutenção é responsável pelas operações técnicas do empreendimento, executando obras e adaptações. A equipe é formada por mais de 20 profissionais internos e 20 terceirizados, sob a batuta de Luis Fernando Matos dos Santos, que responde para o gerente Geral, João Carlos Pollak.

A gestão tem foco nas ótimas condições de apresentação e conservação do imóvel, perfeito funcionamento dos equipamentos e maior vida útil do conjunto dentro do bom custo-benefício. Além da segurança predial, o departamento é responsável pelo Programa de Manutenção Preventiva, com o acompanhamento e contribuição do investidor: a SISAN Empreendimentos Imobiliários. E uma das ações é a redução efetiva dos consumos de energia e água e o tratamento dos resíduos sólidos, que faz parte da Carta Ambiental, uma ferramenta de referência do Grupo Accor para a gestão ambiental nos hotéis, composta por 65 itens.

O projeto é a coqueluche da Gerência de Manutenção e se chama “Emissão Zero” de Efluentes Líquidos, em que há o total reaproveitamento das águas do efluente junto à água de coleta da chuva, a partir de duas estações de tratamento.

“O efluente recebe uma sequência de tratamentos na estação, recebe um polimento final e uma desinfecção, adequando a água resultante a um padrão de reutilização para locais dimensionados, sustentando torres de refrigeração, vasos sanitários, irrigação, lavagens externas e aquários. Já o iodo gerado recebe um tratamento de desidratação por um período de seis meses. O produto seco é reutilizado nos jardins e como agregado em obras na manutenção”, explica Matos dos Santos.


"... em menos de um ano, o projeto já
mostra redução de 40% dos custos normais
com o insumo – uma economia de
aproximadamente R$ 650.000,00 –, sem falar
que são 65 milhões de litros de
efluentes a menos jogados no meio ambiente"


Em termos financeiros, em menos de um ano, o projeto já mostra redução de 40% dos custos normais com o insumo – uma economia de aproximadamente R$ 650.000,00 –, sem falar que são 65 milhões de litros de efluentes a menos jogados no meio ambiente.

“O projeto ‘Emissão Zero’ de efluentes líquidos está totalmente alinhado aos eixos de Inovação, Economia e Desenvolvimento Sustentável dos dois grupos Accor e SISAN, e o nosso hotel é o piloto neste tipo de ação. Foi um grande desafio em função do risco envolvido, e até pelo ambiente de um hotel. Já estamos com 11 meses desde a implantação e maturação, e o sistema já atinge níveis bem confiáveis. Estamos muito satisfeitos de ser um ‘exemplo positivo’ para todos”, confidencia o gestor.

Vale mencionar que o Sofitel Guarujá Jequitimar é o primeiro hotel a buscar certificação internacional sobre emissão zero de efluentes.

Revista Infra Edição Especial Sustentabilidade
http://www.revistainfra.com.br/textos.asp?codigo=11953

Portaria 2914 Água Potável Brasil - Ministério da Saúde

Foi editada em 12/12/2011 a nova portaria 2914 que dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

3 de jan de 2012

LEGIONELLA HONG KONG - Qual será o próximo ?

O mais recente caso em Hong Kong está tendo uma grande repercursão na mídia. Gabinete do Governo recem inaugurado, milhões gastos, pouco cuidado com a saúde das pessoas. Isso é comum em todos os paises. Imaginem no Brasil onde a maioria das pessoas (responsáveis técnicos), acham que a bactéria Legionella nem existe por aqui.
Em 2011 sem dúvida o Brasil teve milhares de casos de Legionellose. Pessoas vieram ao óbito poela legionella e não forma poucas. Sobre o número de pessoas que ficaram com a Febre Pontiac, nem imaginem, os números devem ter sido de milhares + milhares.
Espero que em 2012, os responsáveis técnicos vejam a questão da Legionella com mais atenção. Você também pode ficar doente com ela.
Se tiver qualquer dúvida que possamos ajudar, pode escrever para marcos@setri.com.br será um prazer ajudar a conhecer mais sobre a bactéria Legionella.

Legionella (novos casos)

A bactéria legionella, que causa que causa a doença do Legionário, foi detetada em amostras de água retiradas do Gabinete do Chefe do Executivo e de outros secretários na nova sede do Governo e no complexo do Conselho Legislativo de Hong Kong

Bactéria da doença do Legionário na sede do Governo

A bactéria legionella, que causa que causa a doença do Legionário, foi detetada em amostras de água retiradas do Gabinete do Chefe do Executivo e de outros secretários na nova sede do Governo e no complexo do Conselho Legislativo.

O Centro para a Proteção e Controlo da Saúde da antiga colónia britânica, Thomas Tsang, indicou que a bactéria da legionella foi detetada em nove de 31 amostras de água das casas de banho da nova sede do Governo, avaliada em 670 milhões de dólares (66,3 milhões de euros).
Os testes foram realizados depois de o secretário para a Educação de Hong Kong, Michael Suen, ter sido diagnosticado com a doença. De acordo com as autoridades, os níveis detetados da bactéria no seu novo escritório eram 14 vezes superiores aos valores considerados aceitáveis.
Segundo garantiu hoje Thomas Tsang, o Chefe do Executivo, bem como os secretários de outros gabinetes e outro pessoal poderão trabalhar normalmente, na medida em que serão efetuados trabalhos de desinfestação .
Thomas Tsang disse ainda que a descoberta não significa que Hong Kong esteja perante um surto da doença do Legionário, vincando que a infeção depende do nível da bactéria e da forma como cada pessoa reage à doença.
Os primeiros sinais da doença podem incluir febre alta, calafrios e tosse