30 de jan de 2015

Este problema foi na COPA - Legionella e Qualidade do Ar de Interiores

A COVISA (Coordenação de Vigilância Sanitária) do município de São Paulo esteve nos últimos meses realizando visitas em 25 hoteis de três a cinco estrelas, dos quais hoteis recomendados pela FIFA para turistas que vieram assistir ao Mundial na cidade. Segundo as informações apuradas pela Folha de S. Paulo (veja a matéria aqui), todos os hotéis foram reprovados em algum quesito pela COVISA. Segundo o médico da Vigilância Sanitária, Szymon Gartenkraut os problemas encontrados em todos os hoteis foram em relação a limpeza e higiene dos sistemas de climatização e também a minimização e prevenção de problemas associados à bactéria Legionella.
Segundo a matéria citada, em dois hoteis foi identificada presença positiva de Legionella. Todos os resultados das visitas da COVISA foram enviadas ao Ministério Público do Trabalho para devidas providências.
Reforçamos o alerta que demos já em post anterior (Surto de legionella fecha hotel na Espanha pela segunda vez em 6 meses) que embora muito se tem negligenciado com relação a Legionella no país (responsável por pelo menos 6 mil mortes por ano no Brasil), algumas ações de fiscalização de vigilânicia sanitária já estão verificando as ações de edificações e indústrias quanto ao assunto.
materiaMatéria da Folha de S.Paulo de 15/06/2014 na seção Colunistas/Cidadona

CERSA - PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA



Universidades do Minho e São Paulo unidas pela "segurança máxima" da água


As universidades do Minho, em Braga, e de São Paulo, no Brasil, estão a partir de hoje juntas num projeto que visa garantir "segurança máxima" à água que chega às torneiras dos consumidores.
"O objetivo é identificar onde estão os perigos, priorizar esses mesmos perigos e definir medidas de correção para os mais importantes, de forma a garantir segurança máxima para a água que chega às torneiras, durante 365 dias por ano", explicou José Vieira, coordenador do projeto em Portugal.
Hoje, na Universidade do Minho (UMinho), foi apresentado oficialmente o Centro de Referência em Segurança da Água Portugal/Brasil (CERSA), que resulta de uma parceria entre as universidades do Minho e de São Paulo.

A SETRI trabalha desde 2009 com o PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA para Edificações e Indústrias. Nosso processo está baseado no HACCP e segue todas as normas internacionais.


A SETRI com seu Plano de Segurança da Água, trabalha para minimizar os riscos nas três situações onde o ser Humano tem acesso a água


29 de jan de 2015

SMART WATER LEADERSHIP SUMMIT - LAS VEGAS - SETRI


A SETRI vai apresentar trabalho sobre o tema PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA em Edificações e Indústria.

http://www.smartwaterleadership.com/2015/index.html

CERSA - SETRI apoia e participa




SMART WATER LEADERSHIP SUMMIT - LAS VEGAS - ABRIL 2015



A SETRI vai participar com mais um trabalho, sendo o terceiro ano consecutivo de apresentação.
Nosso trabalho é divulgar o PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA ( WATER SAFETY PLAN) em vários encontros técnicos.

Join Our Community
  • Become part of the only leadership community focused exclusively on Smart Water Management for facilities
  • Collaborate and network across diverse professions and industries
  • Exchange knowledge
  • Solve the most pressing needs of protecting human health while conserving water and energy
The Challenge
In the developed world, corporations purchase water for use in their buildings that is almost always high quality and safe. But then they process the water for quite expansive uses, from drinking water, showers, decorative fountains, recreational systems, spa and therapy environments, high purity applications, misting systems, irrigation systems, process applications, utility water systems and more. It is the processing of the water that often degrades its quality. All too often, it is degraded to such an extent that it becomes unsafe. To put this in perspective, every year another 4,000 people in the U.S. will die from Legionnaires’ disease caused by Legionella in building water systems. According to the CDC, fewer people (about 3,000) die in the US each year from food poisoning.
At the same time, leading organizations are realizing that the conservation of water and protection of worker and consumer health and safety makes good business sense. As part of a broad based sustainability program, these initiatives are popular with investor communities, consumers, the public, and are good for the world. Today, the list of leading corporations conducting wide sweeping sustainability initiatives is expansive.
The Delicate Balance
To achieve optimal results in water management, one must carefully account for the delicate balance between the demands for water safety and sustainability. Often times these demands are in conflict and the solutions may not be obvious. Collaboration among leaders across diverse disciplines plays a key role in achieving desired outcomes. This is the purpose of this community.
How To Become a Member
Membership is free for leaders in facility management, EH&S, engineering, sustainability, regulatory affairs, microbiology, infection prevention, disease prevention, research, government policy and regulation, academia, and related disciplines. Industry sectors include healthcare, hospitality, higher education, retail, commercial real estate, government and manufacturing.
To request a free membership, simply click here.

Centro de Referência em Segurança da Água abre na UMinho (29/01) no Brasil em Março



A SETRI apoia e participa deste importante Centro de Referência sobre Plano de Segurança da Água. Desenvolvemos no Brasil o PSA para Edificações e Indústrias dessde 2009.
No Brasil o CERSA será lançado em Março no Congresso Internacional sobre Segurança da Água em Brasília.

http://177.153.6.85/cisa/theme/cisa.html


O Centro de Referência em Segurança da Água Portugal/Brasil (CERSA), "pioneiro a nível internacional", é hoje (29/01) apresentado na Universidade do Minho (UMinho), em Braga.

O projeto, que resulta de uma parceria entre as universidades do Minho e de São Paulo, no Brasil, "quer constituir-se numa referência internacional em segurança da água e saúde pública, ao nível da investigação, formação, auditoria e consultoria, envolvendo os mais diversos agentes e instituições", refere a UMinho em comunicado.
O CERSA vai funcionar no Centro do Território, Ambiente e Construção da UMinho, na Escola de Engenharia, associando um conjunto de laboratórios, professores e investigadores.
O outro polo do CERSA fica na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e será apresentado em março, em Brasília, aquando do Congresso Internacional de Segurança da Água, organizado pelo Ministério da Saúde do Brasil.
Este centro de investigação surge após a ONU ter reconhecido, em 2010, a água e o saneamento como um direito humano, que deve ser garantido de forma universal para a proteção da saúde pública e da qualidade de vida nas sociedades modernas.
"O mundo vive uma crescente exigência ao nível do abastecimento de água para consumo humano e no saneamento, o que obriga a implementar novas metodologias de avaliação e gestão de riscos", refere a UMinho.
Hoje, na apresentação do CERSA, marcarão presença, entre outros, o diretor do departamento de qualidade da água da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, o chefe de divisão de saúde ambiental e ocupacional da Direção-Geral de Saúde, o secretário-geral do Conselho Nacional da Água e o presidente da Águas de Portugal.
A empresa municipal Esposende Ambiente também estará presente para partilhar a sua experiência e conhecimento no plano da segurança da água.

Água mineral envasada terá o selo do Inmetro

Janeiro de 2014 – O Inmetro convida a população a participar da regulamentação voluntária de água mineral envasada, enviando sugestões, críticas e relatos de acidentes de consumo com produtos comercializados no Brasil. O consumidor pode participar, por meio da consulta pública, até o dia 10 de fevereiro, no site do Inmetro. O objetivo é estabelecer as regras para a certificação, com foco na segurança alimentar, a fim de evitar contaminações na água. Para obter o Selo de Identificação da Conformidade, a água mineral envasada terá de ser avaliada desde o rótulo da embalagem até a sua composição química. A decisão da certificação foi tomada para atender demandas dos envasadores, por conta da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos 2016.

“Levamos em consideração também a demanda por águas minerais naturais envasadas por parte dos espectadores dos eventos esportivos dos próximos anos. A segurança alimentar da água é uma grande preocupação dos espectadores estrangeiros que virão ao Brasil durante os eventos. Como a certificação é voluntária, nem todas as marcas terão o selo, mas o consumidor terá um critério a mais para decidir com segurança a sua compra em estabelecimentos formais”, avalia Gustavo Kuster, chefe da Divisão de Regulamentação Técnica e Programas de Avaliação da Conformidade (Dipac) do Inmetro.

Durante o período de consulta pública, a sociedade poderá colaborar pelo e-mail 
dipac.consultapublica@inmetro.gov.br ou via carta para o endereço: Rua da Estrela, 67, 2º andar – Rio Comprido – CEP 20251-900 – Rio de Janeiro, RJ, A/C da Divisão de Regulamentação Técnica e Programas de Avaliação da Conformidade (Dipac).


Outra certificação importante é da NSF que é usada em todo o mundo.

http://www.nsf.com/services/by-industry/food-safety-quality/beverage-bottled-water/beverages-and-packaged-ice-certification

28 de jan de 2015

Always use proper screen wash in your car - LEGIONELLA

Recently, the death occurred of a local person following illnesses that included Legionnaire’s disease. While Legionnaire’s disease was not the main cause of death, it is possible that it may have contributed.
The Environmental Agency, as is routine practice following reports of Legionnaire’s disease, carried out a detailed investigation of the person’s living environment for possible sources of the bacteria. The Laboratory of the Public Analyst found that the windscreen wash reservoir of the family car contained the bacteria.

Windscreen washers have been identified by research studies as a potential source of the Legionnaire’s disease bacteria, usually when tap water is being used to top up the reservoir. Commercially available screen wash additives
contain chemicals that kill the bacteria and neutralise any risk.

Legionnaires' disease is an uncommon form of pneumonia caused by the Legionella bacterium. It usually affects older people, with a higher risk in smokers and those with reduced immunity. This disease does not spread from person to person and therefore poses no risk to family or friends. It is important to emphasise that, although the bacterium is common, the disease is rare and for most people there is no health risk.

The Legionella bacteria prefer warm standing water environments, and can therefore sometimes be found in certain domestic and industrial water systems that are not properly designed, installed or maintained. Wet cooling towers, spa pools and rarely used showers can allow the bacteria to grow.

People become infected when they inhale the bacteria as an aerosol from a contaminated source. Infections from car windscreen washers are rare but easily prevented.

Please use only commercially available screen wash in your car and do not be tempted to economise by using plain water.

CENTRO INTERNACIONAL PARA A SEGURANÇA DA ÁGUA NASCE NA UMINHO ( A SETRI APOIA E PARTICIPA)

O Centro de Referência em Segurança da Água Portugal/Brasil (CERSA), pioneiro a nível internacional, é apresentado esta quinta-feira, dia 29, na Universidade do Minho, em Braga. Este projeto é uma parceria entre as universidades do Minho e de São Paulo e quer constituir-se numa referência internacional em segurança da água e saúde pública, ao nível da investigação, formação, auditoria e consultoria, envolvendo os mais diversos agentes e instituições.
 
A sessão de apresentação é às 14h30, no anfiteatro B1 do campus de Gualtar, com as declarações de António M. Cunha, reitor da UMinho; Ricardo Rio, presidente do Município de Braga; Paulo Pereira, diretor do Centro do Território, Ambiente e Construção; Luís Simas, diretor do departamento de qualidade da água da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos; Paulo Diegues, chefe de divisão de saúde ambiental e ocupacional da Direção-Geral de Saúde; Joaquim Poças Martins, secretário-geral do Conselho Nacional da Água; Afonso Lobato de Faria, presidente da Águas de Portugal; José Vieira e Pedro Mancuso, coordenadores do CERSA para Portugal e Brasil, respetivamente.
 
Após um curto intervalo, pelas 16h00 intervêm Rui Godinho, presidente da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas, José Martins Soares, presidente da Águas do Noroeste, José Sardinha, presidente da Empresa Portuguesa das Águas Livres; e Alexandra Roeger, presidente da Esposende Ambiente. O encerramento está previsto para as 17h30.
 
O CERSA vai funcionar no Centro do Território, Ambiente e Construção (C-TAC) da UMinho, na Escola de Engenharia em Braga, associando um conjunto de laboratórios, professores e investigadores. O outro polo do CERSA fica na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e será apresentado em março, em Brasília, aquando do Congresso Internacional de Segurança da Água, organizado pelo Ministério da Saúde do Brasil.
 
Este centro de investigação surge após a ONU ter reconhecido, em 2010, a água e o saneamento como um direito humano, que deve ser garantido de forma universal para a proteção da saúde pública e da qualidade de vida nas sociedades modernas. O mundo vive uma crescente exigência ao nível do abastecimento de água para consumo humano e no saneamento, o que obriga a implementar novas metodologias de avaliação e gestão de riscos. O site oficial do Centro é http://cersaportal.org


NO BRASIL A SETRI VEM PARTICIPANDO DA CRIAÇÃO DO CENTRO DESDE SEU INÍCIO. NO BRASIL O LANÇAMENTO SERÁ EM BRASÍLIA EM MARÇO.
A SETRI É ESPECIALIZADA EM PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DESDE 2008 PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS.
A SETRI TAMBÉM VAI LANÇAR O PRIMEIRO LIVRO SOBRE PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EM JUNHO DE 2015.

SETRI alerta para os fabricantes de produtos químicos = ABNT NBR 15784 (o que precisa ser feito)



Trabalho da Câmara Temática de Qualidade de Produtos Químicos - CTQPQ - ABES, ganha reconhecimento oficial do Ministério da Saúde.


A Câmara Temática de Qualidade de Produtos Químicos – CTQPQ alcançou mais um importantíssimo avanço para garantia da saúde da população abastecida no país.
Trata-se do reconhecimento oficial pelo Ministério da Saúde, quanto à sistemática de controle de qualidade dos produtos químicos utilizados em tratamento de água para consumo humano, com base na ABNT NBR 15.784, que foi desenvolvida dentro da CTQPQ. 
 Esta oficialização se deu por meio da Nota Informativa nº 157 DSAST/SVS/MS/2014, emitida, em 09/12/2014, pelo Ministério da Saúde, na qual a CTQPQ é citada e os resultados do seu trabalho sobre o assunto são todos referenciados como o padrão nacional a ser adotado.
Clique aqui para acessar a NI 157 /MS e os 3 (três) formulários (Laudo de Atendimento aos Requisitos de Saúde - LARS, Comprovante de Baixo Risco à Saúde - CBRS eDocumento de Encaminhamento do CBRS e do LARS à Autoridade de Saúde - DECLAS) aprovados pelo M.S, que foram criados dentro da CTQPQ e referendados nos I, II e III Workshops promovidos por esta Câmara.
 Lembre-se, agora estes documentos estão sendo OFICIALMENTE EXIGIDOS PELAS AUTORIDADES DE SAÚDE!


27 de jan de 2015

Pode ter LEGIONELLA no sistema de distribuição de água Potável ? PODE

ÁGUA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO NA VILA DE ALMODÔVAR LIVRE DE LEGIONELLA

ALMODÔVAR – A Câmara Municipal relembra que, em setembro de 2014, foi detetada a bactéria Legionella, nas análises realizadas ao abastecimento de água à vila de Almodôvar, cuja responsabilidade é da empresa Águas Públicas do Alentejo.
Nesta data o Município atuou de imediato, de forma a erradicar a referida bactéria da rede, o que foi conseguido com sucesso, e, desde essa data até ao dia 5 de janeiro de 2015, as análises efetuadas não apresentaram parâmetros indicativos da referida bactéria na rede de distribuição.
A 6 de janeiro, na sequência de novas análises, a bactéria Legionella surgiu de novo, embora com parâmetros baixos. Face a estes resultados o Município reuniu de imediato com a Autoridade de Saúde Pública e com a empresa Águas Públicas do Alentejo, exigindo a colaboração destas entidades e a tomada de medidas imediatas para que a água distribuída tenha a qualidade exigida.
Assim, e no seguimento de diversas medidas implementadas, foram feitas novas análises e informamos que recebemos hoje, dia 23 de janeiro, resultados de novas análises onde não consta qualquer valor da bactéria.
Todavia, e de acordo com as boas práticas e delicadeza do assunto em questão, e pese embora os resultados das últimas análises efetuadas serem negativos, o Município vai proceder à desinfeção e purga da rede de água em toda a vila de Almodôvar, como forma de assegurar que não existem resíduos da bactéria ao longo das condutas de distribuição.
Continuaremos a monitorizar e efetuar todos os esforços para que a qualidade da água que distribuímos aos nossos habitantes seja a de melhor qualidade.

OBS: NO BRASIL NÃO SE FALA PORQUE NÃO SE FAZ NADA SOBRE O TEMA.

26 de jan de 2015

Hospital facing charge over legionnaires' disease case

BRIGHTON'S hospital is facing prosecution for failing to protect patients from a deadly bug.
The trust that runs the Royal Sussex County Hospital is accused of failing to ensure its patients and visitors were protected from the risk of legionella bacteria - which causes legionnaires' disease.
he charge against Brighton and Sussex University Hospitals NHS Trust follows the case of cancer patient Joan Rayment, 78, who caught the waterborne bug at the Royal Sussex County Hospital before she died in November 2011.
The Health and Safety Executive is prosecuting the trust under the Health and Safety at Work Act 1974.
It faces one count of failing to ensure that “patients and visitors to the hospital, including Mrs Joan Rayment, were not thereby exposed to risks to their health and safety, namely the risks of injury or death should they become infected by legionella bacteria from the various water systems at that hospital”.
A representative for the trust appeared at Redhill Magistrates' Court on January 20 and the case has now been sent to crown court.
A spokesman for the trust said it was unable to comment ahead of crown court proceedings.
Legionnaires bacteria causes a serious lung infection, legionnaires' disease, which can cause high fever, muscle pain, cough, chest pains and breathing difficulties.
The bacteria is often found in sources of water and can multiply rapidly in air conditioning and complex water supply systems.
Paying tribute to Mrs Rayment in 2011, Father Robert Chavner, of St Nicholas Church, Brighton, described her as a “creative, imaginative and in some ways unconventional person, who lived out her vocation as a Christian in a particularly radical and vulnerable way, and who touched people and parts of the Church and of society which other Christians couldn't reach.”

Ar-condicionado sem manutenção pode provocar vários riscos à saúde

Aparelhos sujos podem acumular fungos, ácaros, vírus e bactérias.
Quem respira o ar sujo pode ter crises de rinite ou sinusite e até pneumonia.

Edição do dia 24/01/2015
24/01/2015 13h34 - Atualizado em 24/01/2015 13h55

O calor das últimas semanas transformou o ar condicionado em um equipamento indispensável para muitas pessoas. Mas o cuidado com a manutenção é fundamental para que o aparelho refresque o ar no carro, em casa ou trabalho sem causar riscos para a saúde.
A pessoa que tem ar condicionado em casa ou no carro e não faz a limpeza adequada do aparelho pode estar respirando fungos, ácaros, vírus e bactérias. Esses microorganismos, que são invisíveis, ficam suspensos no ar e podem se acumular nos filtros dos aparelhos. O ideal é lavar os filtros a cada 15 dias. 
A falta de cuidado é ruim para saúde e para o bolso. “Gasta mais energia porque ele precisa de muito mais tempo para refrigerar o ambiente. Ele ficando ligado muito mais tempo, ele consome mais energia”, calcula Kimura.
Os motoristas que não se preocupam com a manutenção do ar condicionado se assustam quando constatam o resultado de tanto descuido. O filtro que estava no carro há sete anos e nunca havia sido trocado acumulou muita sujeira e poeira.
Para Elisabete Alves Pereira, que estuda a poluição ambiental na Universidade Federal de São Carlos, o ar condicionado sujo deixa de ser um aliado para se tornar um vilão quando a manutenção não é feita. Quem respira o ar sujo pode ter crises de rinite, sinusite, asma, bronquite e até pegar doenças graves, como pneumonia. Para evitar problemas, o cuidado vai além da manutenção.
“Quando o ar não está sendo utilizado, a gente precisa de uma renovação no ambiente. Então, manter as portas e janelas abertas. É importante que a gente tenha luz solar também nos ambientes para eliminar microorganismos, como fungos e ácaros", alerta Elisabete.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) exige testes periódicos nos aparelhos de ar em locais públicos, com grande circulação de pessoas. Esses testes devem ser feitos pela vigilância sanitária dos municípios para comprovar que o ar não está contaminado. A multa em caso de falta de manutenção pode chegar a R$ 200 mil.

obs: Pneumonia pode vir da LEGIONELLA

Alarme

Um apelo para o controle do uso de água em São Paulo

Por Oded Grajew

A cidade de São Paulo está diante de uma catástrofe social, econômica e ambiental sem precedentes. O nível do sistema Cantareira está em cerca de 6% e segue baixando por volta de 0,1% ao dia. O que significa que, em aproximadamente 60 dias, o sistema pode secar COMPLETAMENTE!
O presidente da Sabesp declarou que o sistema pode ZERAR em março ou, na melhor das hipóteses, em junho deste ano. E NÃO HÁ UM PLANO B em curto prazo. Isto significa que seis milhões de pessoas ficarão praticamente SEM UMA GOTA DE ÁGUA ou com enorme escassez.  Não é que haverá apenas racionamento ou restrição. Poderá haver ZERO de água, NEM UMA GOTA.
Você já se deu conta do que isto significa em termos sociais, econômicos (milhares de estabelecimentos inviabilizados e enorme desemprego) e ambientais? Você já se deu conta de que no primeiro momento a catástrofe atingirá os mais vulneráveis (pobres, crianças e idosos) e depois todos nós?
O que nos espanta é a passividade da sociedade e das autoridades diante da iminência desta monumental catástrofe. Todas as medidas tomadas pelas autoridades e o comportamento da sociedade são absolutamente insuficientes para enfrentar este verdadeiro cataclismo.
Parece que estamos todos anestesiados e impotentes para agir, para reagir, para pressionar, para alertar, para se mobilizar em torno de propostas e, principalmente, em ações e planos de emergência de curto prazo e políticas e comportamentos que levem a uma drástica transformação da nossa relação com o meio ambiente e os recursos hídricos.
Há uma unanimidade de que esta é uma crise de LONGUÍSSIMA DURAÇÃO por termos deixado, permitido, que se chegasse a esta dramática situação. Agora, o que mais parece é que estamos acomodados e tranquilos num Titanic sem nos dar conta do iceberg que está se aproximando.
Nosso intuito, nosso apelo, nosso objetivo com este alarme é conclamar as autoridades, os formadores de opinião, as lideranças e os cidadãos a se conscientizarem urgentemente da gravíssima situação que vive a cidade, da dimensão da catástrofe que se aproxima a passos largos.
Precisamos parar de nos enganar. É fundamental que haja uma grande mobilização de todos para que se tomem ações e medidas à altura da dramática situação que vivemos. Deixar de lado rivalidades e interesses políticos, eleitorais, desavenças ideológicas. Não faltam conhecimentos, não faltam ideias, não faltam propostas (o Conselho da Cidade de São Paulo aprovou um grande conjunto delas). Mas faltam mobilização e liderança para enfrentar este imenso desafio.

Todos precisamos assumir nossa responsabilidade à altura do nosso poder, de nossa competência e de nossa consciência. O tempo está se esgotando a cada dia.


21 de jan de 2015

A Dramatic Increase of Legionnaires’ Disease Cases in the Bronx, NY

New York, NY – WEBWIRE – Tuesday, January 20, 2015
Health officials are investigating a large increase in the number of Legionnaires’ disease (LD) cases in the Bronx. In 2014, this borough of New York City had an incidence rate of 4.3 per 100,000 residents compared to the 2014 city-wide rate of 2.5 per 100,000 cases according to the New York City Department of Health and Mental Hygiene. Health officials recommend that hospitals or nursing homes test for Legionella whenever there is case of community acquired pneumonia.  This testing is required if a patient is diagnosed with LD after being admitted to a hospital or nursing home.

According to the New York State Department of Health, clinical and environmental testing should be able to discriminate between Legionella pneumophila serotype 1 (Lp1) and other species/serotypes of Legionella bacteria. New York City has had past cases of LD caused by non-Lp1 species and serotypes.

Mais de 170 vítimas da Legionella já pediram apoio jurídico

Esta terça-feira, a Câmara de Vila Franca de Xira e a Delegação local da Ordem dos Advogados (OA) assinaram um protocolo para facilitar o acesso dos cidadão afectados a apoio jurídico
Mais de 170 vítimas do surto de Legionella que, no passado mês de Novembro, atingiu as freguesias do sul do concelho de Vila Franca de Xira já pediram aconselhamento jurídico nas autarquias locais, manifestando vontade de exigir compensações a eventuais responsáveis que venham a ser apurados. Esta terça-feira, a Câmara de Vila Franca de Xira e a Delegação local da Ordem dos Advogados (OA) assinaram um protocolo que estabelece as condições de facilitação do acesso dos cidadão afectados a apoio jurídico. “A culpa não pode morrer solteira”, insistem os representantes que assinaram o protocolo.
Alberto Mesquita, presidente da edilidade vila-franquense, adiantou mesmo que a autarquia vai ponderar a apresentação de uma acção judicial própria, reclamando uma compensação pelos danos que a imagem do concelho sofreu com este surto de legionella (o maior registado em Portugal, que afectou 375 pessoas e causou 12 vítimas mortais) e pelos meios que o Município teve que envolver enquanto não foram identificadas pistas sobre a origem do surto. Recorde-se que os ministérios do Ambiente e da Saúde revelaram, depois, que bactérias da legionella de uma estirpe semelhante à que infectou as 375 pessoas foram detectadas numa torre de refrigeração da ADP-Fertilizantes. O caso está, agora, em inquérito judicial e sujeito a segredo de justiça.
Certo é que Paulo José Rocha, presidente da Delegação de Vila Franca de Xira da OA, também defendeu que “há que fazer um caminho para mitigar os danos que as pessoas sofreram” e que os advogados podem contribuir, levando estes casos a tribunal. “Não podemos deixar que, havendo um responsável, esse responsável fique isento de responsabilização”, observou, referindo que “a culpa não deve morrer solteira” e que as pessoas não se devem sentir “pequenas” perante as grandes empresas. “Todas as pessoas podem ter acesso à justiça e não têm que deixar de fazer valer os seus direitos”, prosseguiu.
Paulo Rocha explicou, depois, que, através deste protocolo, todas as vítimas da legionella interessadas poderão ter uma primeira consulta de aconselhamento gratuita. Depois, se quiserem seguir com acções cíveis para tribunal, terão que suportar o acompanhamento dos advogados, se necessário recorrendo a apoios do Estado, se não tiverem comprovadamente meios para o fazer.
Muitas das vítimas têm manifestado dúvidas sobre a apresentação de acções individuais ou conjuntas. Paulo Rocha disse, agora, que as pessoas terão que decidir se esperam ou não pelas conclusões do inquérito que o Ministério Público está a fazer e eventuais acções que o Estado ponha contra os responsáveis. “Até podem ser as pessoas todas em conjunto a juntarem-se a essa situação. Ou podem não querer esperar e avançar cada uma por si ou em conjunto”, adiantou, sublinhando que as acções poderão visar os danos sofridos, nuns casos com a perda de vidas (12) de familiares, noutros com consequências para a saúde (363).
Este protocolo envolve, também, a Delegação Distrital de Lisboa da OA, que participa na criação de uma bolsa de advogados mais disponíveis para atender e para acompanhar, depois, estes casos.

Programa Bem Estar da Globo (20/01/2015) - LEGIONELLA


Médico fala do risco da bactéria LEGIONELLA.

19 de jan de 2015

CÂMARA MUNICIPAL ASSINA PROTOCOLO DE APOIO ÀS VÍTIMAS DO SURTO DE LEGIONELLA COM DELEGAÇÃO DO CONCELHO DE VILA FRANCA DE XIRA DA ORDEM DE ADVOGADOS

VILA FRANCA DE XIRA – Esta terça-feira, 20 de janeiro, pelas 11h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, tem lugar a cerimónia de assinatura do protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e a Delegação do Concelho de Vila Franca de Xira da Ordem de Advogados, para apoio às vítimas do surto de “legionella”, que afetou o Concelho no último mês de novembro.
O protocolo visa, durante um período de três anos, facilitar o acesso à justiça por parte dos cidadãos afetados, disponibilizando encaminhamento, consulta jurídica e uma bolsa de advogados disponíveis para prosseguirem com eventuais processos judiciais.
De sublinhar que durante este surto, o Município, nomeadamente através dos seus serviços Municipalizados de Água e Saneamento e os de Proteção Civil, esteve sempre na linha da frente do apoio à população, tanto em termos de ação como de informação. Neste seguimento e tendo sido manifestada por algumas das vítimas e familiares a vontade de reagir judicialmente junto dos responsáveis pelo foco de contaminação, o Município, mantendo a disponibilidade para os acompanhar e apoiar, promoveu o estabelecimento de um protocolo que permita ir de encontro à pretensão dos afetados.

Bactéria da "legionella" de novo detectada em Almodôvar

Bactéria da "legionella" de
novo detectada em Almodôvar

As análises realizadas este mês de Janeiro em vários pontos da rede de água de Almodôvar voltaram a detectar a presença da bactéria legionella, tal como em Setembro de 2014.
Em comunicado publicado no seu site, a Câmara de Almodôvar refere que a presença da legionella (Spp ePneumophila) foi detectada “em valores considerados não alarmantes”, mas levou a autarquia a adoptar “imediatamente um conjunto de medidas”.
Entre estas, garante a autarquia, está “pressionar” a empresa Águas Públicas do Alentejo para que esta “efectue um controlo mais eficiente na saída dos depósitos de abastecimento de água à rede de abastecimento”.
“Duplicar a quantidade de dióxido de cloro na rede de abastecimento, a fim de erradicar a bactéria”, “purgar e drenar a rede de abastecimento em vários pontos ao longo da vila” e “proceder ao controlo semanal de análises bioquímicas à água distribuída à população” foram as outras medidas tomadas pelo executivo liderado por António Bota.
No comunicado, a Câmara de Almodôvar garante ainda “que as pessoas não deverão ter receio de consumir a água, pois a bactéria só pode desencadear problemas a nível do sistema respiratório por inalação de gotículas”.
Ainda assim, e seguindo as recomendações da Autoridade de Saúde Pública, a autarquia apela à população para evitar ou minorar a exposição por inalação (respiração) de partículas de água, provenientes de actividades como banhos, regas, lavagem de automóveis ou de pavimentos com mecanismos de pressão.
Proceder semanalmente à purga de toda a rede predial e respectivos órgãos e equipamentos pelo período de 10 minutos, rejeitar diariamente – ou em cada utilização – a primeira água dos chuveiros por um período não inferior a dois minutos e proceder mensalmente à submersão dos chuveiros em solução clorada por um período não inferior a 24 horas são as outras recomendações da Câmara de Almodôvar.

Águas Públicas do Alentejo não consegue erradicar a Legionella em Almodôvar (sistema de água pública)

O resultado das análises bioquímicas efectuadas no mês em curso ao sistema de abastecimento de água pública no concelho de Almodôvar revela novamente a presença da Legionella (spp e pneumophila), em valores considerados “não alarmantes”, de acordo com a Autoridade de Saúde Pública (ASP) do Baixo Alentejo, anunciou na última sexta-feira, o município alentejano através de comunicado.
Face à prevalência da bactéria no sistema abastecimento, a ASP “recomendou” à Câmara de Almodôvar que “pressione” a empresa Águas Públicas do Alentejo (APA), entidade responsável pelo fornecimento de água em alta ao concelho alentejano, para que sejam adoptadas medidas preventivas para erradicar a Legionella
A APA foi aconselhada a efectuar um controlo mais eficiente na saída dos depósitos de abastecimento de água à rede de abastecimento. Outras intervenções complementares propostas passam pela duplicação da quantidade de dióxido de cloro na rede de abastecimento e pela purga e drenagem da rede de abastecimento em vários pontos da sede do concelho. 
As análises bioquímicas à água distribuída à população vão passar a ter controlo semanal.
A ASP aconselha a população a evitar a exposição por inalação de partículas de água, provenientes de actividades como banhos, regas, lavagem de automóveis e pavimentos com mecanismos de pressão e a proceder semanalmente à purga de toda a rede das habitações, assim como termoacumuladores, esquentadores, depósitos, etc.
Rejeitar diariamente, ou em cada utilização, a primeira água dos chuveiros por um período não inferior a dois minutos e efectuar mensalmente a submersão dos chuveiros em solução clorada por um período não inferior a 24 horas são outras das medidas sugeridas à população.
A presença da Legionella na rede pública de abastecimento ao concelho de Almodôvar foi detectada pela primeira vez no passado mês de Setembro e desde meados de Outubro que a situação se tem “mantido regularizada, apresentando resultados negativos em todos os locais analisados”, garante o município.
Reagindo ao teor do comunicado autárquico, o Bloco de Esquerda, diz ter conhecimento que um cidadão de Almodôvar foi internado por ter “desenvolvido a doença do legionário em resultado do episódio de Setembro”, chegando a estar em risco de vida.

17 de jan de 2015

LEGIONELLA RISK ASSESSMENT


www.setri.com.br

ABNT 15784

Norma em vigor para produtos químicos utilizados em tratamento de água potável.
Conforme Portaria 2914.
Alguns produtos já aprovados:

http://www.nsf-bioensaios.com.br/lista.php


16 de jan de 2015

CENTRO DE REFERÊNCIA EM SEGURANÇA DA ÁGUA - CERSA - BRASIL E PORTUGAL




A SETRI é uma das participantes e incentivadoras do Centro de Referência em Segurança da Água, desde sua ideia inicial.
Apoiamos e trabalhamos para o sucesso do Centro.
No Brasil o lançamento será no Congresso Internacional de Segurança da Água em Brasília entre 16 e 18 de Março.

SETRI pioneira no PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA para EDIFICAÇÕES e INDÚSTRIAS.






15 de jan de 2015

PORTARIA 2914 MINISTÉRIO DA SAÚDE

EM CONSULTA PÚBLICA A NOVA VERSÃO.


CONGRESSO INTERNACIONAL DE SEGURANÇA DA ÁGUA - BRASÍLIA MARÇO 2015




Consulta pública para revisão da Portaria 2914 do Ministério da Saúde



CONSULTA PÚBLICA No- 2, DE 13 DE JANEIRO DE 2015
O SECRETÁRIO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE torna pública,
nos termos do art. 34, inciso II, c/c art. 59 do Decreto nº 4.176,
de 28 de março de 2002, minuta de Portaria que dispõe sobre os
procedimentos de controle e vigilância da qualidade da água para
consumo humano e seu padrão de potabilidade.
O texto em apreço encontra-se disponível no seguinte endereço
eletrônico: www.saude.gov.br/consultapublica. A relevância da
matéria recomenda a sua ampla divulgação, a fim de que todos
possam contribuir para o seu aperfeiçoamento.
Fica estabelecido o prazo de 60 dias, a contar da data de
publicação desta Consulta Pública, para que sejam enviadas contribuições
devidamente fundamentadas, relativas a citada Portaria.
As dúvidas sobre o processo de revisão deverão ser enviadas
para o endereço eletrônico: vigiagua@saude.gov.br, especificando-se
o número da Consulta Pública e o nome da Portaria no título da
mensagem.
O Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde
do Trabalhador, da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério
da Saúde (DSAST/SVS/MS) coordenará a avaliação das proposições
recebidas e a elaboração da versão final consolidada da "Portaria que
dispõe sobre os procedimentos de controle e vigilância da qualidade
da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade ", para
fins de posterior aprovação, publicação e entrada em vigor em todo o
território nacional.
JARBAS BARBOSA DA SILVA JUNIOR


SETRI trabalhando para auxiliar na revisão da Portaria, com objetivo da implementação do PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA.

Smart Water Leadership Summit - Las Vegas



A SETRI vai estar presente, falando sobre Plano de Segurança da Água

http://www.smartwaterleadership.com/2015/index.html

7 de jan de 2015

Legionella: vítimas podem pedir indemnização

Paulo Silva, 59 anos, residente na Póvoa de Santa Iria, esteve internado no Hospital de Vila Franca de Xira com a doença do legionário. Foi uma das 375 vítimas do surto de legionella, detetado a 7 de novembro em três freguesias vizinhas da fábrica Adubos de Portugal, em Alverca do Ribatejo. Paulo sofreu dores musculares, dores de cabeça e abdominais, teve febre e vómitos e chegou a estar ventilado. 
Mais grave tornou-se, entretanto, o estado de saúde de Edgar Gama, 49 anos, residente em Alverca, que na manhã de 12 de novembro foi transferido do Hospital de Vila Franca de Xira para a unidade hospitalar de Cascais, onde esteve internado durante 10 dias. A infeção dos pulmões alastrou a outros órgãos, o funcionamento dos rins foi comprometido e Paulo esteve ventilado e em coma durante dois dias. Faltou ao trabalho durante três semanas e não se conforma com o sucedido. Paulo e Edgar ponderam agir judicialmente contra a empresa cuja torre de refrigeração libertou a bactéria para a atmosfera. 
Todos aqueles que foram infetados pela bactéria libertada pela Adubos de Portugal (ADP), bem como os familiares das vítimas mortais, têm efetivamente argumentos que justificam levar a tribunal os proprietários da unidade industrial. O relatório da Direção Geral da Saúde provou que a libertação da bactéria para a atmosfera foi protagonizada pela fábrica de Alverca, violando a legislação em vigor, logo estão reunidas as primeiras condições para responsabilizar civilmente a ADP. Junta-se ainda a este rol a existência de uma relação (nexo de causalidade) entre a libertação da bactéria por parte da empresa e os danos sofridos pelas vítimas, que são quantificáveis (perda de vida, dores, despesas médicas e redução salarial, entre outros). 
Do ponto de vista penal, poderemos estar também perante um crime de poluição com perigo comum, se o tribunal reconhecer que o ato poluidor do ar constituiu perigo para a vida e para a integridade física de mais de três centenas de pessoas. E este é um tipo de crime de natureza pública, pelo que o Ministério Público se encarregou de abrir o respetivo inquérito, que poderá conduzir a empresa à barra dos tribunais. 
A ADP pode ainda ser responsabilizada do ponto de vista ambiental, se o tribunal entender que foi a lesão de um componente ambiental (neste caso, o ar) que causou prejuízos a terceiros. Esta decisão pode ser importante para as vítimas, já que a legislação que regula a reparação de danos ambientais prevê que os gerentes e os administradores da empresa em causa sejam chamados a responder solidariamente pelos danos causados, suportando também o pagamento de eventuais indemnizações, no caso de a empresa não as conseguir pagar. 
Os relatórios até agora produzidos pelas entidades públicas que acompanharam o caso seguiram já para o Ministério Público, que conduzirá o inquérito para apurar a existência ou não de indícios da prática de crime. As vítimas podem constituir-se assistentes no processo, o que significa que passam a colaborar com o Ministério Público, oferecendo-lhe provas e requerendo as diligências que considerem necessárias, acompanhando os despachos produzidos ao longo do processo. Podem também avançar para tribunal com uma ação independente daquela que possa ser apresentada pelo Ministério Público e interpor recurso das decisões que os afetem, acedendo a todos os elementos processuais, tais como relatórios, despachos ou ofícios. 
Além de se constituírem assistentes, os lesados podem e devem apresentar um pedido de indemnização civil no processo. Só com este pedido têm hipóteses de ser ressarcidos dos danos sofridos por eles próprios e pelos seus familiares. No entanto, é imprescindível que recorram a um advogado, que saberá lidar com a complexidade do caso. Se não tiverem possibilidades económicas para suportar as despesas com os honorários do advogado e com eventuais taxas a cobrar pelo tribunal, podem requerer à Segurança Social da sua área de residência a atribuição de apoio judiciário, que os dispensa do pagamento de taxas de justiça e lhes nomeia um advogado oficioso para acompanhar o seu processo.